Tamanho do texto

O balanço apurou todas as cincos regiões do País e revelou que o Sul teve a piora mais acentuada, seu indicador caiu de 99 para 80 pontos no período

Brasil Econômico

Nesta quarta-feira (1º) foi divulgado o Índice Nacional de Confiança (INC) e de acordo com o estudo, o consumidor pertencente às classes D/E foi o que apresentou o maior recuo na confiança. O indicador medido nas classes menos favorecidas caiu cinco pontos, ao retrair de 84 para 79 pontos entre os meses de dezembro e janeiro.

LEIA MAIS: Governo corta R$ 4,7 bilhões do Orçamento para adequação ao teto de gastos

Medo do desemprego  faz consumidor ter menos confiança
iStock
Medo do desemprego faz consumidor ter menos confiança

O presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), Alencar Burti,  sobre o recuo avalia que, “a crise fiscal atingiu a maioria dos estados e [como consequência] reduziu benefícios sociais, destinados justamente a esse perfil de consumidor ”.

Nas outras classes o INC também apresentou recuo. Na A/B a queda foi de 68 para 65 pontos, e na classe C a variação foi de 81 para 79.

Além desse recorte, a instituição também apurou um panorama sobre a confiança do brasileiro. Segundo o levantamento realizado entre os dias cinco e 18 de janeiro em todas as regiões do País, a confiança do consumidor foi de apenas 77 pontos. A ACSP alerta que o INC varia de zero a 200 pontos, sendo os números a baixo de 100 preocupantes, pois fazem parte do campo pessimista.

Comparativo

A nota oficial divulgada aponta que em janeiro de 2016 o indicador era de 75 pontos. Entretanto, existe a margem de erro de três pontos que abre uma brecha para a interpretação de que a confiança do brasileiro, na realidade, se manteve estável no último ano. No comparativo com dezembro de 2016, uma alta foi registrada. No último mês no ano, a taxa do INC foi de 79 pontos.

“O brasileiro segue pessimista com o atual momento do País, mas está um pouco esperançoso em relação ao futuro. É preciso que o governo vá ao encontro dessa esperança e continue cortando gastos. Assim, o Copom poderá reduzir cada vez mais a taxa Selic, na esteira da queda inflacionária, para que a economia volte a girar”, comenta Alencar Burti.

LEIA MAIS: Setor de shopping centers projeta alta de 5% nas vendas para este ano

Regiões

Por mais que o Índice Nacional de Confiança tenha mantido certa estabilidade no País, há singularidades pelo território nacional. Segundo o levantamento, o Sul apresentou queda de 99 para 80 pontos no período analisado pela Associação Comercial. 

O INC do Nordeste também despencou de 77 para 69 pontos. As duas regiões citadas obtiveram negativas por causa do campo. A primeira pela grave dificuldade fiscal no setor agrícola e a segunda pela estiagem que atinge a agropecuária.

Por outro lado, o setor agrícola pode ser a esperança para os consumidores das regiões Norte e Centro-Oeste. Segundo o indicador,  são as únicas áreas aonde o INC chega próximo aos 100 pontos, uma vez que as taxas subiram de 96 para 99 pontos.

O Sudeste apresentou uma variação parecida com a do estado de São Paulo. No primeiro, a variação foi de 68 para 72 pontos, já no segundo de 62 para 66 pontos. O motivo pelas altas são as quedas nos indicadores da inflação, do juros e o otimismo da agricultura local.

Expectativas

Em relação ao futuro, 21% dos entrevistados acreditam em uma piora do cenário econômico pessoal para os próximos seis meses. Entre os que creem em uma melhora, a porcentagem sobe para 38%.

Já sobre a situação financeira atual, 53% avaliam como ruim. De acordo com a Associação Comercial de São Paulo, o pessimismo se deve pelo período de recessão vivida no País, visto que 51% se encontram inseguros com relação ao desemprego.

Outra variação apresentada foi que a média de pessoas que conhecem pessoas que foram demitidas nos últimos seis meses subiu. Se em dezembro de 2016 a pontuação era de 5,73, neste mês os números subiam para 5,82, de forma que o consumidor tema pelo seu emprego.

LEIA MAIS: Consumidor está menos satisfeito com as empresas, aponta estudo da ESPM