Tamanho do texto

Após mudança no prazo, início da medida que permite pagamento de boletos vencidos em qualquer instituição passou de março e terá início em julho

Agência Brasil

Novas regras para boletos vencidos começa a valer a partir de 10 de julho para valores acima de R$ 50 mil
Arquivo/Agência Brasil
Novas regras para boletos vencidos começa a valer a partir de 10 de julho para valores acima de R$ 50 mil

A implantação da nova plataforma de cobrança dos boletos bancários, que estava prevista para partir de março, foi prorrogada e terá início a partir de julho. A informação foi divulgada pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban), por meio de nota, nesta quarta-feira (1).

LEIA MAIS: Alta das commodities faz balança comercial registrar melhor janeiro em 11 anos

“As instituições optaram por postergar a primeira onda de validações de boletos a fim de garantir que o sistema já esteja integrado e sendo alimentado pelas plataformas de todos os bancos ”, afirma a entidade.

Neste novo modelo, os boletos bancários que tenham passado da data de vencimento poderão ser pagos em qualquer banco. A medida será implantada de forma escalonada e começará com os boletos de valor igual ou acima de R$ 50 mil, a partir do dia 10 de julho. Em dezembro, a mudança será estendida para boletos de qualquer valor, seguindo o cronograma divulgado pela Febraban.

LEIA MAIS: Corretor fala sobre as carteiras de investimentos recomendadas na Bovespa

Um novo sistema de liquidação e compensação para os boletos bancários, criado pela federação em parceria com a rede bancária, viabilizará a ação. O novo mecanismo deve reduzir as inconsistências de dados, evitar pagamento em duplicidade e permitir a identificação do CPF do pagador, facilitando o rastreamento de pagamentos e coibindo fraudes.

De acordo com a Febraban, anualmente no Brasil são pagos cerca de 3,5 bilhões de boletos bancários de venda de produtos ou serviços. Todas as informações que obrigatoriamente devem constar no boleto (CPF ou CNPJ do emissor, data de vencimento, valor, nome e número do CPF ou CNPJ do pagador) vão continuar, além da permanência de um código de barras.

LEIA MAIS: Petrobras continua proibida de vender ativos ou subsidiárias, diz TCU

Quando o consumidor, seja pessoa física ou empresa, fizer o pagamento de um boleto vencido, será feita uma consulta ao novo sistema para checar as informações. “Se os dados do boleto que estiver sendo pago coincidirem com aqueles que constam no sistema, a operação é validada. Se houver divergência de informações, o pagamento não será autorizado e o consumidor poderá fazer o pagamento exclusivamente no banco que emitiu a cobrança, uma vez que essa instituição terá condições de fazer as checagens necessárias”, informou a Federação Brasileira de Bancos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.