Agência Brasil

undefined
Agência Brasil
Afirmações de Ana Paula Vescovi, secretária do Tesouro, se referem às mudanças no perfil da dívida projetadas no PAF

A secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi, afirmou nesta quarta-feira (25) que o Brasil recuperará o grau de investimento e voltará a uma trajetória de queda da dívida pública.

LEIA MAIS: Consumidor começa o ano mais confiante, aponta FGV

Apesar disso, Vescovi afirmou que o Tesouro , responsável pela gestão da dívida, está lidando com o atual cenário econômico "com os pés no chão" e "fazendo a melhor combinação possível entre risco e custo".

A afirmação da secretária foi feita em referência a mudanças no perfil da dívida projetadas no Plano Anual de Financiamento (PAF) para 2017. O governo prevê, por exemplo, uma tendência de alta dos títulos vincendos em 12 meses, ou seja, com prazo mais curto.

Em 2017, eles devem representar de 16% a 19% da composição da dívida. Nos próximos anos, devem situar-se abaixo de 20% da dívida pública federal, mas a partir de 2021 devem crescer devido aos vencimentos de LFTs. O LFT é um título pós-fixado cuja rentabilidade segue a variação da Selic, taxa básica de juros da economia. O PAF prevê também redução do prazo médio da dívida no curto prazo.

LEIA MAIS: Grande São Paulo fecha 384 mil postos de trabalho em dois anos

O objetivo do governo na condução da dívida pública, entretanto, deve ser substituir os títulos remunerados por taxas de juros flutuantes, como os LFTs, por títulos com rentabilidade prefixada e títulos remunerados por índices de preços. Outro objetivo deve ser o aumento do prazo médio do estoque da dívida.

Vescovi também negou que as projeções do PAF estejam em contradição com esses objetivos. "Haja vista o cenário presente, é prudente em função de custos e de prazo que usemos os instrumentos que nós temos. Por isso a participação das LFTs será importante este ano. E xiste uma cultura de preferência do mercado brasileiro pelas LFTs", disse.

LEIA MAIS: Tesouro Nacional aponta que Dívida Pública foi superior a R$ 3 trilhões

A secretária do Tesouro afirmou ainda que, devido à situação de sucessivos déficits primários, os custos precisam ser levados em conta na gestão da dívida pública federal. "Que nossas ações de política fiscal possam diminuir a pressão sobre a dívida pública e que possamos voltar à nossa trajetória da dívida de sempre". A dívida pública fechou 2016 em R$ 3,113 trilhões, com crescimento de 11,45% em relação aos R$ 2,793 trilhões registrados em 2015. Para 2017, o PAF prevê que a dívida fique entre R$ 3,45 trilhões e R$ 3,65 trilhões.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários