Brasil Econômico

Brasil Econômico

Nesta quarta-feira (18) o presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, afirmou que a política monetária entrou em um novo ritmo no País. A observação do presidente se refere à redução de 0,75 ponto percentual da Selic, atualmente com uma taxa de 13% ao ano.

+Cerca de 55% dos MPEs investirão para aumentar vendas, diz SPC Brasil

undefined
Agência Brasil
Ilan Goldfajn, presidente do Banco Central afirma que afirmou que a política monetária entrou em um novo ritmo, se referindo a redução da taxa Selic

O pronunciamento de Goldfajn durante sua participação no Fórum Econômico Mundial,  Davos, na Suíça, foi complementado após o presidente do BC dizer que a continuidade da redução da taxa nesta intensidade depende da inflação e da atividade econômica do País.

O presidente ainda disse que enxerga a globalização positivamente para países de economia emergente. “No caso do Brasil, houve crescimento dos benefícios para a classe média. Nós continuamos a apoiar a globalização porque beneficiou nossa economia e nossa classe média,” declarou.

Já o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, acredita que a globalização também é positiva para países considerados desenvolvidos. “Nos Estados Unidos, você tem importações de um lado eliminando alguns empregos americanos, mas [benefícios como] alta tecnologia, serviços, criando todo tipo de trabalhos. Além disso, a população inteira se beneficia de preços baixos”, disse.

+Com inflação mais baixa, ONU projeta alta de 0,6% no PIB brasileiro em 2017

Contraponto

As medidas protecionistas defendias pelo presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, encontraram concordância entre parte da população americana, que identifica prejuízos na economia estadunidense após a entrada de empresas estrangeiras no mercado.

PIB

Meirelles afirmou ainda que o governo vai revisar a estimativa do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2017. Atualmente a estimativa é que a soma dos bens e riquezas do Brasil tenham uma alta de 1%.

Segundo o último boletim Focus, a projeção para este foi de crescimento de 0,5% do PIB. A pesquisa é realizada com instituições financeiras e são divulgadas semanalmente pelo Banco Central.

Outra projeção realizada é a do Fundo Monetário Internacional (FMI), o qual alterou na segunda-feira (16) as expectativas para o PIB brasileiro. Se antes as notícias não eram muito boas, com estimativa de 0,5%, agora elas caíram para 0,2%. Já a Organização das Nações Unidas (ONU) prevê uma taxa de crescimento de 0,6% do PIB do País.

+Economia brasileira continuará estagnada, diz Fundação Getulio Vargas

*Com informações da Agência Brasil

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários