Brasil Econômico

Brasil Econômico

Uma consumidora de São Paulo registrou em vídeo o momento em que encontra pedaços de etiquetas com códigos de barra e plástico em um ‘tender bolinha’, da marca Seara.         Visualizado por mais de 52 mil internautas, o produto foi adquirido em uma das lojas da rede supermercadista Extra. Para mostrar sua indignação ao fato, a consumidora postou o vídeo com a reclamação em sua página no Facebook.

+ Código de Defesa do Consumidor: 5 falsos direitos na hora da compra

Após a divulgação e a grande repercussão do vídeo, internautas criticaram o acontecimento e cobraram um posicionamento da Seara em sua página oficial do Facebook. A empresa respondeu aos comentários dos internautas ao afirmar ter entrado em contato com a consumidora logo após o relato.

Com a repercussão do caso e a Seara tendo prestado todo o atendimento necessário para verificar o ocorrido, a consumidora que encontrou os materiais estranhos informou que o produto foi retirado de sua casa e enviado para análise. “Não estou querendo defender o que aconteceu, pois foi realmente lamentável, mas apenas querendo ser justa pela preocupação que empresa teve com o consumidor”, escreveu.

+ Empresas devem respeitar o direito do consumidor ao cobrar dívidas

Por meio de nota oficial, a assessoria do Grupo Pão de Açúcar (GPA), que detém a marca Extra, afirmou não ser responsável pela fabricação do produto, uma vez que ele vem embalado da indústria. “O Extra preza pela qualidade de seus produtos e serviços. A rede reforça que o item citado vem lacrado e embalado de fábrica, não passando por qualquer manuseio em loja. Mas que de qualquer maneira, estão à disposição do cliente para qualquer esclarecimento”.

Em nota à imprensa, a Seara lamentou o ocorrido e lembro do pronto atendimento à consumidora, seguindo uma política da marca e de acordo com as melhores práticas regidas pelo Código de Defesa do Consumidor. "A empresa que mesmo diante de um rígido controle de qualidade e excelência em seus processos produtivos, mediante o fato relatado – o único caso registrado pela marca em todo o seu histórico de fabricação do produto – realizou uma análise minuciosa, identificando um desvio no procedimento de operação exigido. Dessa forma, a empresa reforçou seus padrões operacionais e implementou melhorias para que o fato não volte a ocorrer".

Críticas 

Ainda nas redes sociais, muitos comentários têm repercutido sobre uma suposta manipulação do produto. As opiniões dos consumidores tem se dividido acerca do fato, gerando ainda mais polêmica sobre a fabricação do presunto defumado com materiais aleatórios.  De acordo com alguns deles, o tender parece ter sido reutilizado e processado com outros itens. Já para outros, o ocorrido foi somente um erro de fábrica e que o posicionamento da Seara mostrou sua preocupação para com o consumidor.

Após a exposição do caso na rede social, a opinião dos consumidores se dividiu. Enquanto uns afirmavam que o produto era manipulado e misturado a itens de carácter duvidoso, outros diziam ter sido apenas um erro durante a fabricação do presunto defumado e elogiaram a postura da fabricante Seara ao se desculpar com a consumidora e reafirmar seu compromisso com a qualidade de seus produtos. 

+ Bebê de três meses é internado após usar protetor solar da Peppa Pig

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários