BBC News Brasil

A companhia aérea Air India começou a vender passagens para uma área restrita a mulheres dentro de suas aeronaves.

A "reserva" será aplicada aos primeiros seis assentos da primeira fila da classe econômica. A medida vem após casos de assédio sexual nos voos - algumas mulheres teriam sido agarradas por passageiros.

+ Os 8 bilionários que têm juntos mais dinheiro que a metade mais pobre do mundo

Um diretor da companhia aérea disse ao jornal "The Hindu" que a Air India quer oferecer segurança a passageiras que viajam sozinhas.

"Como uma companhia nacional, nós sentimos que é nossa responsabilidade aumentar o nível de conforto das passageiras", disse Meenakshi Malik.

Passageiras viajando sozinhas poderão pedir os assentos reservados no avião na hora do check-in sem custo extra
Shutterstock
Passageiras viajando sozinhas poderão pedir os assentos reservados no avião na hora do check-in sem custo extra

+ Desemprego em alta eleva risco de agitação social no Brasil, diz OIT

Você viu?

A Air India disse também que terá dois pares de algemas de plástico a bordo para lidar com passageiros "descontrolados".

A partir desta semana, seis assentos estarão disponíveis na aeronave A320 para voos dentro da Índia. A companhia pretende estender a reserva de assentos para voos internacionais durante os próximos meses.

Passageiras viajando sozinhas poderão pedir os assentos na área reservada ao fazer o check-in sem custo extra.

Controvérsias

Nem todos ligados à companhia estão satisfeitos, porém. "Até onde eu sei, isso não acontece em outro lugar do mundo. Aviões não são inseguros para passageiras", disse Jitendra Bhargava, ex-executiva da Air India, ao The Hindu.

"Em casos de comportamento descontrolado, a tripulação está autorizada perante a lei a tomar uma medida a respeito".

+ Por que o excesso de otimismo pode travar sua carreira

Esta não é a primeira vez em que a companhia é alvo de controvérsias. Em 2015, superiores disseram a parte da tripulação que eles estavam "gordos demais" para desempenhar o serviço e que "custavam uma fortuna à companhia em combustível".

Em 2009, ela também demitiu nove aeromoças por estarem "acima do peso" dizendo que sua forma física poderia "prejudicar sua agilidade".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários