Tamanho do texto

Segundo o IBGE, três dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados no País apresentaram queda na inflação. No ano ela ficou em 6,58%

Brasil Econômico

Prévia da inflação oficial em dezembro é a menor desde 1998
shutterstock
Prévia da inflação oficial em dezembro é a menor desde 1998

A prévia da inflação oficial medida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) perdeu força ao Índice de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA 15) ao passar de 0,26% para 0,19% de novembro para dezembro. Em dezembro de 2015 o IPCA 15 ficou em 1,18%. Esse resultado foi o menor para o mês de dezembro desde 1998 informou nesta quarta-feira (21), ao sinalizar que no ano a taxa chegou a 6,58%. 

+ Inflação deve fechar 2016 em 6,49%, estima Banco Central

Segundo o IBGE, três dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados apresentaram queda na inflação no período analisado, sendo eles: artigos de residência  com redução de 0,52%, habitação  com queda de 0,28% e alimentação e bebidas  com queda de 0,18%.

O segmento que apresentou a maior variação foi o de alimentos e bebidas que teve queda de 0,18% em dezembro, enquanto em novembro a queda foi de 0,06%. O IBGE sinalizou que diversos produtos influenciaram o resultado com destaque para o feijão-carioca que ficou 17,24% mais barato, seguido da batata-inglesa com queda de 15,78%, o tomate que ficou 10,58% mais barato no período analisado e o leite longa vida que barateou 5,40%.

Em contrapartida alguns alimentos apresentaram aumento de preços, especialmente a cebola  que teve alta de 6,50%, a farinha de mandioca 3,52% mais cara, o frango inteiro  com alta de 1,62% e o óleo de soja  que ficou 2,55% mais caro no período.

+ Inflação prevista pelo BC para 2017 atinge o centro da meta ao marcar 4,4%

Outros indicadores

O item energia elétrica, que apresentou queda de 1,93%, enquadrado no grupo habitação, exerceu o principal impacto para baixo no índice da inflação do mês, ao ter queda de 0,07 ponto percentual (p.p)). Isso porque, em 1º de dezembro, a bandeira tarifária amarela foi substituída pela verde, que não tem o custo adicional de R$ 1,50 por cada 100 kilowatts-hora consumidos.

Ocorreu, ainda, queda de 7,52% nas contas de energia de Porto Alegre, reflexo da redução de 16,28% nas tarifas de uma das concessionárias, desde 22 de novembro. No Rio de Janeiro, a redução de 11,37% nas tarifas de uma de suas concessionárias aconteceu em 07 de novembro e refletiu na queda de 6,16%. Já em Goiânia, a variação de -1,76% ainda é decorrente da redução de 8,83% em vigor desde o dia 22 de outubro.

+ IBGE mantém estimativa de safra 14% maior em 2017