Tamanho do texto

Governo não recua sobre mudanças no sistema de cartões de crédito e espera apenas resolução do Conselho Monetário, afirmou Meirelles

Agência Brasil

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou que a equipe econômica não recuou em relação as mudanças no sistema de pagamento de cartão de crédito. Durante café da manhã com jornalistas nesta quarta-feira (21), Meirelles ressaltou que nada mudou no cronograma anunciado pelo governo na última semana.

+ Cartão de crédito: saiba como usar a favor das finanças pessoais

Ministro da Fazenda afirma que governo não vai recuar sobre as mudanças no cartão de crédito
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO - 24.05.2016
Ministro da Fazenda afirma que governo não vai recuar sobre as mudanças no cartão de crédito


De acordo com o ministro da Fazenda , a diminuição do prazo – de 30 para dois –  para que as administradoras de cartões de crédito repassam o valor das compras aos lojistas, depende apenas da resolução do Conselho Monetário Nacional (CMN) para ser definida. Segundo Meirelles, o governo espera que os bancos baixem os juros de forma voluntária nos próximos 30 dias. Caso a redução não ocorra, a equipe econômica mudará o prazo, na reunião de janeiro do conselho.

“O cronograma continua rigorosamente. As medidas serão tomadas de uma forma ou de outra. O importante é que o custo para o consumidor seja menor. Existe um instrumento do CMN para encurtar o prazo. Os bancos definem os juros. Vamos observar a queda. Se não houver queda, diminuímos o prazo”, declarou Meirelles.

+ Temer anuncia pacote de medidas microeconômicas

Medidas microeconômicas

Na semana passada, ao anunciar o pacote de medidas microeconômicas no Palácio do Planalto , o ministro chegou a afirmar que a definição sairia em 10 dias. Já nesta quarta-feira (21), ele esclareceu que se referia apenas à direção que o governo pretende tomar – diminuição voluntária dos juros ou diminuição do prazo – ao informar o prazo de 10 dias. “Na reunião de hoje [do CMN], esse tema não será discutido. Se os bancos não começarem a baixar voluntariamente os juros, o CMN toma a decisão na reunião de janeiro”, acrescentou.

Sem alta do juros

Para o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, as empresas que administram os cartões não devem aumentar o juros em represália da eventual mudança de prazo. “Acho pouco provável que o sistema financeiro adote qualquer represália contra o CMN e o Ministério da Fazenda. Existe um processo normativo dentro do poder de cada um”.

Segundo Meirelles, o governo está tomando uma série de medidas, não apenas relativas aos cartões de crédito, para que os bancos reduzam os juros. Ele ressaltou aos jornalistas que o objetivo principal da medida é aprimorar o sistema de pagamentos do cartão de crédito. “Estamos aperfeiçoando estrutura de funcionamento do cartão de crédito. Estamos tomando uma série de medidas que permitam os bancos a baixar os juros e a reduzir o custo do sistema financeiro.”

+ Medidas do Banco Central vão desburocratizar o crédito, diz Febraban

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.