Tamanho do texto

Já a perspectiva para 2017 também foi ajustada para baixo, ao passar de 4,93% para 4,90%. A meta de inflação para o próximo ano é 4,5%, com teto em 6%

Agência Brasil

Boletim Focus sinaliza inflação em 6,52%, próximo ao teto da meta
Thinkstock/Getty Images
Boletim Focus sinaliza inflação em 6,52%, próximo ao teto da meta

As instituições financeiras reduziram pela quinta vez a estimativa para a inflação deste ano. Segundo o Boletim Focus, do Banco Central (BC), divulgado nesta segunda-feira (12) a projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) caiu de 6,69% para 6,52%.O limite superior da meta de inflação é de 6,50% e o centro, 4,5%. Essa foi a quinta redução seguida na estimativa para o índice este ano.

+ Inflação registra menor taxa para meses de novembro desde 1998, diz IBGE

Já a perspectiva para 2017 também foi ajustada para baixo, ao passar de 4,93% para 4,90%. A meta de inflação para o próximo ano é 4,5%, com teto em 6%. Na opinião do presidente do Banco Central , Ilan Goldfjan, a inflação tem surpreendido favoravelmente.  “É verdade que há sinais de uma pausa na margem, na desinflação de alguns componentes do IPCA mais sensíveis ao ciclo econômico e à política monetária [decisões sobre a taxa básica de juros]. Todavia, surpresas positivas na inflação e a fraqueza na atividade tornam mais provável a retomada do processo de desinflação desses componentes”, disse.

Na sexta-feira (9) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que a inflação, medida pelo IPCA, ficou em 0,18% em novembro, abaixo do 0,26% do mês anterior. Essa também é a menor taxa para meses de novembro desde 1998. Em 12 meses, o IPCA acumula 6,99%, bem abaixo dos 7,87% de outubro.

+ Inflação prevista pelo BC para 2017 atinge o centro da meta ao marcar 4,4%

Selic

Diante da recessão econômica e da melhora na inflação, o BC tem sinalizado que pode intensificar o corte da taxa básica de juros, a Selic. Nas suas duas últimas decisões, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC cortou a Selic em 0,25 ponto percentual. Atualmente, a taxa está em 13,75% ao ano.

Para as instituições financeiras consultadas pelo Banco Central para a produção do Boletim Focus, a Selic encerrará 2017 em 10,50% ao ano. A Selic é um dos instrumentos usados para influenciar a atividade econômica e, consequentemente, a inflação. Quando o Copom aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso gera reflexos nos preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Já quando o Copom diminui os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle sobre a inflação.

Recessão

A projeção de instituições financeiras para a queda da economia Produto Interno Bruto (PIB) este ano, piorou ao passar de 3,43% para 3,48%. Para 2017, a expectativa de crescimento foi alterada de 0,80% para 0,70%, na oitava redução consecutiva, segundo o Banco Central.

+ Projeção de inflação tem terceira queda seguida e passa para 7,23% neste ano

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas