Tamanho do texto

Além da maior intenção de compra no período, pesquisa apontou que o consumidor está disposto a gastar mais. O tíquete médio passou de R$ 302 em 2015, para R$ 357 este ano

Nada de lembrancinhas. Aumenta a intenção de compras de Natal e o consumidor pretende gastar mais com o presente na data
Getty Images
Nada de lembrancinhas. Aumenta a intenção de compras de Natal e o consumidor pretende gastar mais com o presente na data

Pesquisa realizada pela Hello Research identificou que houve recuperação na intenção de compras de presentes para o Natal deste ano na comparação com o ano anterior. Enquanto em 2015 59% dos consumidores – seis em média – iria presentear na data, para este ano a porcentagem chegou a 77%. Ou seja, oito em cada 10 respondentes da pesquisa vão às compras neste final de ano.

+ Compras de Natal: aplicativo ajuda no controle dos gastos com presentes

Outro ponto que pode trazer otimismo ao varejista é que, além da perspectiva de aumento das vendas na data, o consumidor pode desembolsar mais pelo presente . Em 2015, o gasto médio com presentes era de R$ 302; agora está em torno de R$ 357.

Os filhos lideram a intenção de compra com 42% para o Natal deste ano, seguida das mães com 26%. Maridos e esposas também entram nessa lista com 23% das intenções de compra para data. A pesquisa identificou ainda que, em média, este ano cada consumidor irá presentear duas pessoas.

Categorias

Sete em cada 10 entrevistados – 68% – tem intenção de comprar roupas, acessórios e demais itens de moda no Natal. Na sequencia aparecem os brinquedos com 32%, os produtos de beleza, com 13% e os eletrônicos, com 12%. No Natal de 2015, os eletrônicos, itens esse de maior valor agregado, eram opção de compra para apenas 3% dos entrevistados.

+ Varejo de São Paulo deve ter queda de 6% nas vendas de Natal, diz ACSP

Local de compra

O comércio de rua foi apontado por 65% dos consumidores como local das compras para os presentes de Natal . Os shoppings aparecem em segundo com 26% e a internet foi apontada por apenas 4% dos consumidores respondentes da pesquisa. As classes D e E e os moradores do Nordeste e do Sul são os que mais compram na rua, chegando a 71% dos entrevistados. Já no Sudeste as compras em shoppings se destacam da média, com 37% de atração de consumidores.

Tíquete médio

A crise econômica em que o País se encontra parece não intimidar os consumidores neste final de ano. Enquanto 28% dos consumidores pretendes gastar menos com presentes, 34% sinalizaram disponibilidade de desembolsar valores maiores este ano. O gasto médio com presentes aumentou R$ 50 e, se em 2015 a maioria dos presentes tinha preço de “lembrancinhas”, neste ano eles serão um pouco mais caros.

+ Recebeu o 13 º? Educadora dá dicas de como gastar o dinheiro com consciência