Brasil Econômico

Brasil Econômico

undefined
Marcos Santos/USP Imagens
A taxa Selic é a ferramenta usada pelo Banco Central para manter sob controle a inflação oficial

Após dois dias de reunião o Comitê de Politica Monetária (Copom) do Banco Central (BC) decidiu reduzir a taxa básica de juros. A Selic teve queda de 0,25%, passando de 14% para 13,75% ao ano. 

+ Mercado projeta inflação menor e PIB com retração de 3,49% este ano

Foi o segundo mês consecutivo de redução da  Selic . Em outubro, a taxa teve corte de 0,25 ponto percentual, chegando ao patamar de 14% ao ano. Na data, a redução foi aprovado por unanimidade pelo Copom. O resultado da reunião confirmou as expectativas do mercado, que já projetava a queda. 

“Avaliamos que a evolução do cenário doméstico foi favorável para uma aceleração do ciclo de corte de juros. Em primeiro lugar, a aprovação das medidas de ajuste fiscal avançou de forma relevante. Em segundo, os dados de atividade continuaram fracos, não sugerindo reversão dos resultados negativos de agosto. A perspectiva de uma recessão ainda mais intensa diminui os riscos inflacionários. Em terceiro lugar, a inflação deve seguir bem comportada em seus diversos componentes, ainda que o subgrupo de serviços - cuja inflação já recuou significativamente este ano - não tenha recuado adicionalmente”, disse o Itaú Unibanco por meio de nota.

+ Após vitória de Trump, mercado financeiro piora projeções para o Brasil em 2017

Inflação

No Relatório de Inflação, divulgado no fim de setembro pelo Banco Central, a autoridade monetária estima que o IPCA encerre 2016 em 7,3%. O mercado financeiro já estima um índice menor. De acordo com o boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras divulgada pelo Banco Central, a inflação oficial fechará o ano em 6,8%.

+ Entenda a taxa Selic: o que é, como é feito o cálculo e mais

A taxa

A Selic é a ferramenta usada pelo Banco Central para manter sob controle a inflação oficial, que é medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Oficialmente, o Conselho Monetário Nacional estabelece meta de inflação em  4,5%, com margem de tolerância de 2 pontos, podendo chegar a 6,5%. A perspectiva dos analistas de mercado é que este ano a inflação oficial fique em 6,5% e em 2017 ela fique pouco acima do teto da meta, em  4,93%.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários