Brasil Econômico

O Banco Central anunciou no final da tarde de quarta-feira (23) a possibilidade de o consumidor escolher se quer pagar a fatura do cartão de crédito de compras no exterior pelo câmbio do dia da compra ou da data de vencimento. De acordo com a Proteste Associação de Consumidores, a opção dá maior previsibilidade em um momento de instabilidade cambial.

+ INSS libera segunda parcela do 13ª aos aposentados e pensionistas

A opção está condicionada à oferta pelo emissor do cartão e à aceitação do cliente. O BC manteve a opção disponível anteriormente de pagar o valor equivalente em reais na data do pagamento da fatura. "A medida anunciada pelo Banco Central dá previsibilidade ao negócio porque, da forma como era calculada até agora, uma oferta podia ser muito boa no dia da compra e péssima na hora de pagar devido à instabilidade cambial", disse a Proteste, em nota.

undefined
Marcos Santos/USP Imagens
Consumidor precisa ficar atento às taxas de câmbio cobradas pelos bancos nas compras com cartão de crédito no exterior

+ Governo anunciará novas medidas para melhor acesso ao programa Tesouro Direto

O BC também anunciou a ampliação de formas de pagamento de bens e serviços no exterior por meio de empresas de comércio eletrônico. Anteriormente, o único meio permitido para tais pagamentos era o cartão de uso internacional. Com a mudança, a transferência bancária e o cartão de uso doméstico também poderão ser usados nas compras em sites no exterior.

Taxas de câmbio

A Proteste afirmou também que o consumidor precisa ficar atento às taxas cobradas pelo bancos nas compras com cartão de crédito no exterior. "Quando faz alguma compra em algum site internacional ou quando viaja, o consumidor sabe que deve utilizar o cartão de crédito com cautela, por conta da cobrança do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) de 6,38%. Entretanto, muitas pessoas não questionam a taxa de câmbio usada", diz a associação.

Segundo a Proteste, uma boa saída para evitar surpresas após viagens ao exterior é priorizar pagamentos de hospedagem e passeios ainda no Brasil, já que os hotéis e agências cobrarão em reais. "Diante da flutuação da taxa de câmbio, o consumidor precisa avaliar bem em que situação vale usar o cartão para comprar no exterior ou mesmo na compra pela internet em sites internacionais”, acrescenta.

Os bancos não são obrigados a cobrar a taxa do dólar comercial no momento da cobrança da fatura, mas são orientados a utilizá-la como referência. De acordo com a associação, o modelo utilizado faz as empresas sempre cobrarem um valor a mais do que a cotação do dólar comercial.

+ Sindicatos pressionam o Banco do Brasil sobre processo de reestruturação

De acordo com a Proteste, o dólar comercial é aproximadamente 6% mais barato do que a do dólar de turismo. "Não é justo quando o consumidor compra no exterior, ficar sujeito à flutuação cambial e também ao ganho dos bancos", disse. E finaliza: é necessário haver regulamentação da taxa de câmbio na fatura do cartão de crédito.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários