Tamanho do texto

Secretário da Fazenda se reúne com representantes de bancos para angariar recursos; governo promete iniciar pagamentos de servidores nesta semana

Servidores protestaram semana passada contra as medidas propostas pelo governador, consideradas
Divulgação/Alerj
Servidores protestaram semana passada contra as medidas propostas pelo governador, consideradas "pacote de maldades"

O secretário de Fazenda do Estado do Rio de Janeiro, Gustavo Barbosa, tem reuniões marcadas nesta segunda-feira (14) com representantes de bancos em São Paulo para buscar recursos extras. O Estado passa por grave crise financeira  que tem atrasado o pagamento de servidores ativos e inativos, que tiveram seus salários parcelados.

Até a última sexta-feira (11), apenas 62% da folha de pagamento do Estado do Rio estavam quitados, o que corresponde a 240 mil servidores. Os demais funcionários e pensionistas devem receber em sete vezes a partir da próxima quarta-feira (16). 

Já foram quitados os salários dos servidores ativos e inativos da área de segurança e dos ativos da educação.

LEIA TAMBÉM:  Multa da Lei da Repatriação pode beneficiar 18 Estados

O governo do Rio divulgou também nesta segunda-feira nota à imprensa com declarações do secretário ao jornal "Bom Dia Rio" (TV Globo). Barbosa afirma que, se recursos não programados entrarem no caixa do estado, os pagamentos poderão ser antecipados.

Na próxima quarta-feira (16), será debatido na Assembleia Legislativa do estado o pacote do governo para cortar gastos, adiar reajustes e aumentar a contribuição previdenciária de servidores para 30% por quatro quadrimestres. Políticas como o aluguel social e o Renda Melhor também seriam extintas, e o Bilhete Único teria mudanças como um teto de R$ 150 e o aumento de R$ 6,50 para R$ 7,50.

As medidas e os atrasos de pagamentos geraram protestos de servidores, que ocuparam a Assembleia Legislativa  na semana passada. Desde esse domingo (13), grades foram colocadas em volta do prédio, impedindo o acesso de manifestantes.

O secretário afirma que as medidas são necessárias para equilibrar o caixa a médio e longo prazo, e que o governo tenta "agir em uma situação de total caos financeiro".

Defensoria Pública, Ministério Público e Justiça já anunciaram que vão tomar medidas judiciais contra cortes no Rio de Janeiro como o do Renda Melhor, que atende a famílias com renda per capita inferior a R$ 100.

LEIA TAMBÉM:  Receita Federal arrecada R$ 50,9 bilhões com incentivo para repatriar recursos não declarados no exterior

* Com informações e reportagem da Agência Brasil