Tamanho do texto

Segundo dados do indicador do SPC Brasil e da CNDL o comércio é o setor que concentra o maior número de empresas negativadas

Índice de empresas inadimplentes chegou a 12,20%, segundo indicador do SPC Brasil e da CNDL
Thinkstock/Getty Images
Índice de empresas inadimplentes chegou a 12,20%, segundo indicador do SPC Brasil e da CNDL

Após dois meses de queda o número de empresas inadimplentes no País voltou a subir em setembro, na comparação com igual período do ano anterior, ao atingir 12,20%, segundo indicador calculado pelo Serviço de Proteção ao Crédito  (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

+ Inadimplência das empresas cresce 11% em agosto, diz SPC Brasil

Mesmo com a alta no mês de setembro, o SPC Brasil afirmou que o patamar de empresas inadimplentes  apurado no período é o terceiro menos intenso ao se observar os últimos nove meses  da série histórica. O indicador apurou ainda que a região Nordeste lidera a alta de 14,62% nos atrasos na comparação com as demais regiões do País, sendo que os players do setor de comércio que lideram como devedoras. Em seguida aparece o Norte, que registrou avanço de 12,69% na mesma base de comparação, o Centro-Oeste (11,22) e o Sul (9,78%). Sudeste não entrou no indicador devido a “Lei do AR”, que impõe dificuldades para negativação no estado de São Paulo.

Crise econômica

Segundo o presidente da CNDL,  Honório Pinheiro, a crise econômica e os juros elevados, que encarecem o custo do capital, são os fatores impulsionam o indicador de inadimplência. “A atividade econômica ainda enfraquecida prejudica o faturamento das empresas e, consequentemente a sua capacidade de pagamento. Se o cenário de recuperação econômica se confirmar, o que ainda não parece tão claro, podemos esperar uma desaceleração mais intensa no ritmo ainda alto do crescimento da inadimplência”, explica Pinheiro.

+ Crise econômica começa a perder fôlego, segundo levantamento do Ipea

Além do aumento no número de empresas inadimplentes , houve também um crescimento na variação da quantidade de dívidas em atraso em nome de pessoas jurídicas: 14,55% a mais em setembro frente a igual mês de 2015. Já na passagem de agosto de 2016 para o último mês de setembro, sem ajuste sazonal, a alta foi de 1,26% na quantidade de empresas inadimplentes e de 1,09% no volume de dívidas.

Setores endividados

Ainda segundo dados do indicador do SPC Brasil e da CNDL o comércio é o setor que concentra o maior número de empresas negativadas. Mais da metade, ou seja, 50,29% são estabelecimentos comerciais. O segmento de serviços aparece em segundo lugar, ao concentrar 34,53% dos inadimplentes e ainda foi a atividade que apresentou maior alta no endividamento ao crescer 15,22% em setembro, na comparação com igual período do ano anterior. Em seguida, aparecem o comércio (11,67%), a indústria (11,51%) e a agricultura (7,33%).

De acordo com o indicador do SPC Brasil, o setor credor que apresentou o maior crescimento das dívidas de pessoas jurídicas –  ou seja, para quem as empresas estão devendo –   são:  comércio com 17,95%, seguidas das indústrias com 17,14%. Completam o ranking de setor credor o segmento de serviços, que engloba bancos e financeiras  com 13,92% e de agricultura com 0,25%.

+ Os 4 principais perfis de inadimplentes – e como cobrar cada um deles