Tamanho do texto

Com as novas taxas, bancos superam instituições privadas em algumas das modalidades de crédito, como o financiamento de veículos, por exemplo

Banco do Brasil disse que as taxas de crédito da instituição são definidas a partir de critérios técnicos
Elza Fiuza/Agência Brasil
Banco do Brasil disse que as taxas de crédito da instituição são definidas a partir de critérios técnicos

Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal elevaram suas taxas de juros, assim superando os bancos privados em algumas das modalidades de crédito, de acordo com informações divulgadas pelo Banco Central (BC).

+ Redução na taxa Selic terá efeito pequeno nos juros do crédito

O crédito disponível para a compra de veículos, por exemplo, tem juros que chegaram a 27,06% ao ano na Caixa Econômica Federal, no final do mês de setembro. Essa taxa é a mais cara entre os cinco maiores bancos do país. O Banco do Brasil tem a segunda taxa de juros mais elevada, com 26,96% ao ano. Ao fiinal de 2015, essa taxa estava em 26,84% ao ano,na Caixa e 26,58% no BB.

A menor taxa dos cinco maiores bancos do País é a do Santander, que tem 23,33%  de juros ao ano para financiamento de veículos. Em seguida vem o Bradesco (26,15% ao ano) e Itaú Unibanco (26,23% ao ano), que têm taxas bastante próximas.

Em relação ao rotativo do cartão de crédito, empréstimo tomado pelo consumidor quando paga um valor inferior ao integral da fatura, a Caixa (470,56%) e o BB (450,23% ao ano) possuem juros mais caros do que os do Bradesco (424,58% ao ano), porém mais baratos comparados aos do Santander (557,8% ao ano) e Itaú Unibanco (631,86% ao ano).

+ Demanda do consumidor por crédito cai 3,6% em setembro, aponta Serasa Experian

A Caixa deixou de oferecer a menor taxa do crédito consignado (24,61% ao ano), agora perdendo para o Santander (24,46% ao ano). O BB, com taxa de 26,96%,  fica acima do Bradesco (25,12% ao ano) e abaixo do Itaú Unibanco (36,85% ao ano).

Por meio de nota, a Caixa afirmou ter adotado uma política para minimizar os efeitos negativos na economia brasileira durante a crise financeira que teve início em 2008. Após o estouro da crise, bancos públicos foram usados como ferramenta para impulsionar o crédito a osconsumidores e empresas, além de financiar obras de infraestrutura.

“A partir de 2012, enquanto os bancos privados iniciaram o processo de recomposição das suas margens [de lucro], a Caixa continuou esforços para se manter como o banco das melhores taxas. Com essa estratégia, conseguiu se apresentar com a 2ª maior carteira de crédito do Sistema Financeiro Nacional”, disse a Caixa.

+ Instituições financeiras esperam redução da Selic para 14% ao ano

O Banco do Brasil disse, também por meio de nota, que as taxas de crédito da instituição são definidas a partir de critérios técnicos que consideram as taxas de juros da economia, avaliações de risco, estratégias comerciais e movimentos da concorrência, além de outros fatores.

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.