Tamanho do texto

Em casa, trabalhando sozinho, Michel faturava cerca de R$ 1.800 mensais. Hoje, fatura R$ 70 mil e emprega 16 pessoas; conheça a história de sucesso

Quando chegou da Argentina há 13 anos, o então bombeiro Ricardo Joel Michel, 37 anos, queria prestar concurso público para seguir na profissão. Mas foi um hobby antigo, a gastronomia, que deu a ele a oportunidade de manter a família e tornar-se um empreendedor: ele é proprietário da Rotisserie Argentina "O Boteco", uma casa de comida argentina. 

Veja:  Super MEI investe na profissionalização e capacitação de empreendedores

O argentino Ricardo Joel Michel participa de aula de panificação do SEBRAE-SP; ele fatura R$ 70 mil com seu negócio
Sebrae SP
O argentino Ricardo Joel Michel participa de aula de panificação do SEBRAE-SP; ele fatura R$ 70 mil com seu negócio

O negócio começou informalmente há nove anos, quando começou a cozinhar massas frescas, molhos e outros pratos no apartamento em que morava. “A vizinhança toda sabia que eu cozinhava. Aos domingos, tocavam a companhia e perguntavam: ‘O que tem para hoje? Tem massa fresca? Tem empanada?'”, conta o argentino Michel. 

Aos poucos, a área de serviço virou uma cozinha profissional, com forno industrial e freezer. O guarda-roupa das crianças passou a guardar embalagens. O sofá da sala deu local a outro refrigerador. “Tinha fim de semana eu produzia 50 empanadas e saía pela Avenida Cursino para vender. Só voltava quando vendia a última”, diz. 

Em 2009, ele profissionalizou o negócio. “Era muito caro comprar embalagens em pequena quantidade. Quando comecei a procurar indústrias para grandes pedidos, todas pediam CNPJ. Entendi a importância de abrir a empresa.” 

Há quatro anos o negócio mudou-se para São Bernardo do Campo, mas a expansão da empresa não parou por aí e, há seis meses, Michel teve que alugar um outro espaço, na Vila Gumercindo, em São Paulo, para atender os clientes. “Em São Bernardo do Campo não havia espaço para recepção, eram só duas mesas e a cozinha. Agora mantemos ali só a produção e temos esse espaço com 16 mesas”, explica. 

Em casa, trabalhando sozinho, Michel faturava cerca de R$ 1.800 mensais. Hoje, fatura R$ 70 mil e emprega 16 pessoas. Há dois meses, teve que mudar o registro de MEI (microempreendedor individual) para M.E (microempresa). 

O carro-chefe do negócio, conta, são as empanadas. “Nossa loja só tem produtos argentinos, não trabalhamos com carnes, mas temos massas frescas, doces, alfajores, cervejas e vinhos argentinos.“ 

Capacitação 

Empreendedor há nove anos, Michel nunca deixou de se capacitar. Desde que formalizou o negócio, já realizou cursos presenciais e online de pizzaria, comércio e gestão, sempre com a parceria do Sebrae-SP. “Sempre que precisamos de uma ajuda financeira ou comercial, pedimos ajuda ao Sebrae. Contratar uma consultoria é caro e o Sebrae sempre nos ajuda”, diz. 

O último curso foi o de panificação, no programa Super MEI do Sebrae-SP. O programa oferece formalização e capacitação para empreendedores, com cursos de gestão e formação técnica gratuitos, além de acesso ao mercado. 

Leia mais:  Veja qual é o passo a passo para abrir uma empresa no Brasil

“Foram 10 dias de curso, onde tivemos oito dias de prática de padaria e dois dias de gestão, vendas e financeiro. É muito importante. No dia a dia você esquece coisas básicas como preencher o livro-caixa, aí chega no fim do mês e você não sabe se ganhou ou se perdeu. Às vezes, paga a escola das crianças com o dinheiro da empresa, embora não possa fazer isso. Esse tipo de curso te abre a cabeça, te dá as orientações que são a base de uma boa administração”, conta Michel.  

A atualização tecnológica e o networking com outros empreendedores também ajudam muito, segundo o argentino. “Você se mantém atualizados em novas tecnologias: máquinas novas, ingredientes novos. Além disso, mantém contato com outros empreendedores, compartilha problemas e soluções.” 

Super MEI 

O programa Super MEI, do Sebrae-SP, tem pilares na formalização e capacitação dos empreendedores e se divide em quatro etapas: formalização para quem ainda não está regularizado; cursos de gestão, envolvendo controle financeiro e vendas; formação técnica em instituições técnicas parceiras; e acesso ao mercado por meio de um aplicativo e um portal onde o empreendedor poderá oferecer seus produtos e serviços.

O programa prevê 223 cursos, preferencialmente ministrados no período noturno, em 18 diferentes segmentos (como beleza, alimentação, construção civil etc), oferecidos pelas unidades do Centro Paula Souza, órgão do governo estadual responsável pelas Fatecs e Etecs, pelo Senac e Senai. 

As inscrições para o Super MEI poderão ser realizadas pelo site supermei.sebraesp.com.br , pela Central de Atendimento 0800 570 0800 e nos Escritórios Regionais do Sebrae-SP.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.