Tamanho do texto

Em habitação, houve queda de 0,40% ante redução de 0,13%, na 1ª prévia; grupo despesas pessoais se manteve em baixa, mas em velocidade mais lenta

No grupo alimentação, o IPC passou de 0,55% para 0,06%
Divulgação/Pixabay
No grupo alimentação, o IPC passou de 0,55% para 0,06%

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), medido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), na cidade de São Paulo, voltou a desacelerar na segunda prévia de setembro, ao passar de 0,05% para 0,01%. Além de um recuo em três dos sete grupos de despesas, caiu o ritmo de correção dos alimentos. No grupo alimentação, o índice passou de 0,55% para 0,06%.

+ Conta de luz ajuda a desacelerar a inflação medida pelo IPC-S, diz levantamento

Em habitação, houve queda de 0,40% ante uma redução de 0,13%, na primeira prévia. O grupo despesas pessoais se manteve em baixa, mas em velocidade mais lenta (de -0,47% para -0,19%). Já em educação, o Índice de Preços ao Consumidor mostra uma diminuição mais forte do que na pesquisa anterior (de -0,02% para -0,12%).

Alta menor

No item vestuário, foi verificada alta de 0,36%, mas este índice foi bem menor do que o anotado na apuração passada (0,76%). No grupo transportes, não ocorreu mudança em relação aos preços praticados na primeira prévia quando a taxa acusou variação de 0,15%.

O único avanço mais expressivo - comparado à última medição - foi em saúde (de 0,52% para 0,69%). O Índice de Preços ao Consumidor realizado pela Fipe, capta as variações do custo de vida das famílias com renda mensal entre um e dez salários mínimos.

+ Inflação para a terceira idade é de 9,6% nos últimos 12 meses