Tamanho do texto

Querer fazer marketing online não significa apenas “estar presente”. Algumas ações são necessárias para que o uso possa ser, de fato, efetivo. Veja

Brasil Econômico

Muitos profissionais ainda criam páginas de perfis nas redes sociais, como se a empresa fosse um usuário - não é o ideal
Pond5
Muitos profissionais ainda criam páginas de perfis nas redes sociais, como se a empresa fosse um usuário - não é o ideal

Se você é empreendedor e está em busca de saber como tirar o máximo proveito das redes sociais para o marketing digital de sua marca, com certeza não está sozinho. Com mais de 1.440 bilhão de usuários ativos mensais, e metade da população brasileira, esses espaços virtuais são atraentes para empresas em todo o mundo.

Os números grandiosos podem animar qualquer empresário antenado. Afinal, além de mostrarem o potencial de crescimento do Facebook, também revelam o poder de alcance de uma empresa  presente nas redes sociais . Talvez, uma vitrine como nenhuma outra atualmente.

A especialista em Internet Marketing e criadora do treinamento online Facebook Essencial, Camila Porto, destaca a importância de buscar informações sobre o uso apropriado das mídias sociais para os negócios. “Existe um novo grupo de pessoas que está entrando agora no Facebook como empresa. Algumas ações básicas podem servir para qualquer um que esteja iniciando um empreendimento”, diz.

Mas, fique atento! Querer fazer marketing online não significa apenas “estar presente”, existir. Algumas ações são necessárias para que o uso das redes sociais possa ser, de fato, efetivo. “Mesmo que algumas empresas estejam no Facebook apenas para estar, você pode aprender a manejar suas páginas aplicando as melhores práticas”, enfatiza a consultora de Mídia Social Christina Baldassarre em artigo no site Entrepreneur.

Se você deseja explorar ao máximo a página de sua companhia e se tem dúvidas quanto ao uso dessas ferramentas, fique atento às dicas das especialistas.

1. Público-alvo

A primeiríssima coisa que você deve saber é a sua persona, ou seja, quem exatamente é seu público-alvo. Estabeleça o perfil dessas pessoas com o máximo de detalhes possível: idade, sexo, classe social, ambições, sonhos, dores... Tudo! Depois disso, você poderá traçar estratégias de marketing mais efetivas, voltadas para quem realmente estará interessado no seu serviço/produto.

É seu público-alvo quem vai buscar sua página, não apenas para curtir, mas para acompanhar e ser cliente. “Veja quais as preferências, os gostos e os hábitos dos seus potenciais consumidores, e publique para eles, fale apenas com eles”, sugere Camila.

2. Página da empresa

Muitos profissionais ainda criam páginas de perfis, como se a empresa fosse um usuário. Mas, esse não é o ideal. Tente criar uma página para sua companhia, já que, dessa maneira, ficará claro que se trata de um negócio, seguindo regras internas da mídia. Além disso, uma página permitirá que você tenha acesso a métricas de quem está interagindo.

3. Imagem do perfil

Segundo Camila, a escolha ideal para a imagem para a foto de perfil varia muito. Por exemplo, os empreendedores que representam o próprio negócio, como profissionais liberais, devem utilizar a própria imagem, mas as empresas que são jurídicas devem escolher pela logomarca. Outra opção, mais divertida, é usar um mascote, caso a empresa tenha algum.

Para a foto do perfil, também é sugerido que haja mudanças esporádicas na imagem – nem que seja da cor para uma campanha, ou algum selo que celebre uma data especial.

4. Curtidas

É evidente que todo mundo gostaria de ter tantas curtidas quanto fosse possível – e talvez você também esteja ambicionando números altos para sua página. Porém, tenha cautela na hora de sair convidando todo mundo para curtir – amigos, familiares... Isso pode ser um tiro no pé, afinal. Segundo Camila Porto, esta é a pior estratégia, pois levará à página da empresa pessoas que não são público-alvo.

“De nada adianta ter um monte de curtida na sua página se ninguém interage, e pior, se ninguém está disposto a comprar o seu produto ou serviço”, explica.

O segredo é anunciar e criar estratégias para ter apenas pessoas com potencial de se tornar cliente.

LEIA MAIS:  Busca de novo modelo de relacionamento com cliente eleva adesão de marcas a apps

Criou a página? Convidou potenciais clientes? Depois que tudo isso for feito, você pode se preparar para as próximas dicas que estão mais relacionadas às publicações e ações cotidianas.

5. Imagens de bastidores

Imagine que você esteja procurando um consultor para contratar, por exemplo. Então, chega ao seu website, dá uma conferida e acha tudo muito bonito e legal. Só que, ao buscar um “sobre” ou a foto da pessoa, não encontra em local algum. Imaginou? É a mesma sensação de seu potencial cliente ao entrar em sua página e não encontrar as informações desejadas, nem fotos “de bastidores”.

É necessário investir em transparência. Deixe que seus consumidores conheçam sua empresa e seus serviços.

6. Promoções

Muitos ainda têm dúvidas sobre a realização de promoções no Facebook: devem ser feitas? Como? É válido destacar aqui que esse tipo de ação era proibido até pouco tempo. Agora, são permitidas e possíveis pela rede social. Contudo, é necessário ficar alerta para dois fatores: existem leis vigentes no Brasil que precisam ser estudadas, como a Portaria 422 para concursos culturais, e as diretrizes do Ministério da Fazenda e da Caixa Econômica Federal para promoções comerciais.

O melhor, nesses casos, é a adoção de aplicativos específicos de promoções para a extinção de qualquer dúvida. Outro detalhe: seja claro quanto ao regulamento e evite repetir o clichê de “curta e compartilhe”. “Sei que isso gera interação, mas não é a melhor opção porque não vai gerar interessados verdadeiros na sua marca”, explica Camila.

7. Entretenimento

Uma das maiores razões para que tantas pessoas gastem tanto tempo no Facebook é porque isso as diverte. Assim, sua empresa pode dar alguns motivos para que seus clientes permaneçam entretidos e, claro, para chamar a atenção de outros novos seguidores. Fotos, vídeos e frases – qualquer coisa que possa agregar conteúdo à sua marca.

De acordo com a especialista consultada pelo Entrepreneur, conteúdos nas redes sociais não precisam ser, necessariamente, cupons ou recompensas financeiras, como descontos ou brindes.

    Leia tudo sobre: Facebook