Brasil Econômico

Brasil Econômico

undefined
Wikimedia Commons
Investidores no Brasil devem investir na Bolsa de Valores de São Paulo (BM&FBovespa)

Apesar de ser uma das primeiras coisas que vêm a mente das pessoas quando o assunto é investimento, a Bolsa de Valores não é o local ideal para o pequeno investidor . A velocidade com que o mercado apresenta mudanças requer conhecimento do investidor, que precisa estar ciente de riscos e benefícios de investir em ações de empresas.

As ações é uma pequena fatia oferecida por uma empresa de capital aberto, que tem parte do seu patrimônio é dividido em várias cotas, distribuídas para investidores que se tornam donos dessa companhia. Quanto mais os lucros de uma empresa aumentam, mais caras são suas ações, e quanto mais ações uma pessoa tem, maior a participação na distribuição dos lucros.

LEIA MAIS: Aprenda a melhorar seus ganhos com o Tesouro Direto

Uma das vantagens de se investir em ações é a possibilidade de começar com valores baixos. Os dividendos são distribuídos em intervalos curtos se comparados a outros tipos de investimento e os proprietários podem comprar ou vender seus títulos a qualquer momento. Existem diversos tipos de ação e cada uma define o modo de participação nos lucros do proprietário.

Tipos de ações

A ação ordinária (ON) proporciona direito a voto em assembleia que definem os rumos da empresa. Neste modelo, o proprietário só receber parte do lucro da empresa depois da distribuição para os detentores de ações preferenciais (PN), que não dão ao acionista o direito de participar de decisões do dia a dia da empresa.

Entretanto, as PNs são compradas e vendidas com mais facilidade e têm dividendos superiores em, no mínimo, 10% em relação às ONs. A frequência da divisão de lucros pode variar de acordo com a empresa. Algumas companhias distribuem os dividendos a cada mês. Em outros casos, os proprietários tem retornos trimestrais.

Como comprar ações?

No Brasil, a compra e venda de títulos é feita na Bolsa de Valores de São Paulo (BM&FBovespa) por meio de corretoras habilitadas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Para começar a comprar e vender ações, é necessário se criar uma conta de investidor na Bolsa.

Para criar a sua, entre em contato com uma das corretoras disponíveis no site da CVM ou da BM&FBovespa e informe dados pessoais como nome, profissão, endereço e enviar cópias de RG, CPF e comprovante de residência. Cada corretora determina o valor mínimo para a abertura da conta.

Taxas

Não há um valor mínimo para investir na bolsa. Entretanto, o investidor deve estar atento e verificar se o valor de algumas taxas podem pesar na quantia aplicada. Se a taxa cobrada pela investidora for superior muito alta em relação ao valor aplicado, pode ser uma boa ideia investir um pouco mais. O ideal é calcular o rendimento necessário para cobrir o investimento e o valor da taxa.

LEIA MAIS: Empreendedores devem evitar essas 8 ideias se querem ter sucesso

A BM&FBovespa cobra três taxas principais. A taxa de corretagem é o valor que as corretoras cobram para o investidore entrar no mercado. O preço cobrado varia de acordo com cada corretora, mas pode ser um valor fixo ou uma porcentagem da operação realizada.

Cobrada mensalmente pela guarda das ações e pelos serviços oferecidos, a taxa de custódia varia entre as corretoras. Em alguns casos, pode ser até gratuita. Outra cobrança aos investidores é o Imposto de Renda, que cobra 15% sobre os ganhos com ações. A taxa é cobrada apenas na saídas dos investimentos e se o valor foi menor do que R$ 20 mil.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários