Tamanho do texto

Preço apresentou variação total de 2,21% no segundo semestre; queda de demanda nas lojas causa impactos em cadeia, diz economista

Agência Brasil

Preços de imóveis comerciais apresentaram primeira queda desde o início da pesquisa, em 2000
Marivaldo Oliveira/Futura Press - 23.7.15
Preços de imóveis comerciais apresentaram primeira queda desde o início da pesquisa, em 2000


O desaquecimento da economia já se reflete na desvalorização de imóveis comerciais principalmente por causa da queda de demanda nas lojas  de shoppings centers no eixo Rio-São Paulo. É o que aponta a pesquisa do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) em torno do Índice Geral do Mercado Imobiliário – Comercial (IGMI-C).

No segundo trimestre deste ano, o preço de imóveis  apresentou variação total de 2,21%, que é a soma da taxa de retorno do capital (-0,01%) com a taxa de retorno da renda (2,22%). Embora o resultado absoluto tenha sido praticamente o mesmo do primeiro trimestre (2,2%), ele embute a primeira queda na taxa de retorno do capital (medida que demonstra o comportamento do mercado em relação à evolução patrimonial) desde o início da pesquisa, no ano 2000.

LEIA MAIS: Construção ou reforma do imóvel? Saiba como evitar dores de cabeça

O levantamento por amostragem inclui a coleta de informações sobre 529 imóveis comerciais do país como hotéis, galpões industriais, escritórios, lojas em shoppings centers. Comparado ao mesmo período do ano passado, a taxa de retorno do capital ficou em 0,62% e da renda 8,76%, inferiores ao apurado no primeiro trimestre com 1,3% em relação ao capital e de 8,8% sobre a renda.

O coordenador da pesquisa, Paulo Picchetti, disse que a crise econômica vem provocando impactos em cadeia com menos clientes nas lojas, menor procura por locações para escritórios, e, principalmente, por queda de preços dos aluguéis em shoppins centers. Esta é uma situação que se verifica em especial no eixo Rio- São Paulo.

LEIA MAIS: Desistir da carreira e começar algo novo? Veja 3 perguntas que podem te ajudar

Para o economista, a reversão desse quadro depende da retomada do crescimento econômico do país, uma situação “ainda incerta e que vai demorar”. Picchetti destacou que para uma previsão mais efetiva da volta das atividades é necessário saber os rumos da condução política.