Tamanho do texto

Para o instituto, dados da indústria nacional e a desvalorização do real ante o dólar são indícios de melhora da economia

Agência Brasil

Apesar de possível queda da crise econômica, ainda há um longo caminho para recuperação
Thinkstock
Apesar de possível queda da crise econômica, ainda há um longo caminho para recuperação

O levatamento divulgado nesta segunda-feira (27) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) diz que a crise econômica que atinge o País começa a perder fôlego. Apesar disso, ainda há um longo caminho para a recuperação brasileira, de acordo com o coordenador do Grupo de Conjuntura do Ipea, José Ronaldo Souza Júnior. Os dados constam na Carta de Conjuntura, que avalia dados econômicos divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o Ipea, os sinais de que a crise está perdendo fôlego podem ser percebidos principalmente na indústria nacional. Além disso, a desvalorização do real ante o dólar, de acordo com o instituto, beneficia o setor exportador brasileiro, principalmente nos segmentos têxtil, madeireiro e de calçados.

Além de aumentar a competitividade brasileira no setor externo, a desvalorização do real também está estimulando a substituição de importação na produção de alguns bens intermediários, ou seja, nos insumos usados pelo setor produtivo.

LEIA MAIS:  Estimativa para inflação em 2016 sobe pela 6ª vez seguida, chegando a 7,29%

Por outro lado, no entanto, a moeda nacional desvalorizada torna a importação de máquinas e equipamentos mais cara, prejudicando investimentos no setor produtivo.

O que ainda prejudica o crescimento da economia

Diferentemente da indústria, os setores de serviços e comércio ainda estão em retração. “Os serviços tendem a levar um tempo maior para se recuperar porque depende muito da renda dos consumidores e essa renda vai demorar a se recuperar por conta da questão do emprego”, disse Souza Júnior.

LEIA MAIS: Com alta, taxa de juros do rotativo do cartão de crédito chega a 471,3% ao ano

A renda e o aumento de desemprego têm prejudicado a recuperação da demanda doméstica por bens e serviços. “A gente vê um longo caminho [para a recuperação da economia ], porque a gente olha para os indicadores de confiança, principalmente dos consumidores, e vê que eles ainda estão muito pessimistas”, afirmou o pesquisador.