Tamanho do texto

Autora da ação comprovou que era dependente financeira do ex-marido e tinha o direito de permanecer coberta pelo plano

Apesar da separação judicial, STJ reconheceu direito de mulher de continuar coberta pelo de saúde feito pelo ex-marido
Agência Brasil
Apesar da separação judicial, STJ reconheceu direito de mulher de continuar coberta pelo de saúde feito pelo ex-marido

Ministros da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiram que uma mulher tem o direito reconhecido de ser titular e beneficiária de um plano de saúde feito pelo seu ex-marido. Apesar da separação judicial, o casal manteve vínculo morando na mesma casa.

Em discussão, estava o vínculo entre os dois, se era suficiente ou não para provar uma relação que garantisse direito à continuidade do plano de saúde. No entendimento dos ministros do STJ, a mulher comprovou que era dependente econômica e financeira do ex-marido, e com isso, detentora do direito de permanecer coberta pelo plano de saúde contratado.

Com a decisão, o STJ restabeleceu a sentença que reconhecera o direito da autora da ação. Após recurso, a decisão tinha sido revertida no Tribunal de Justiça de São Paulo, o que levou a ex-esposa a recorrer ao STJ.