Gerdau (GGBR4) e CSN (CSNA3) estão nas análises do dia
Ivonete Dainese
Gerdau (GGBR4) e CSN (CSNA3) estão nas análises do dia

A equipe da Guide Investimentos escolheu para as análises, nesta sexta-feira, os balanços financeiros dos principais players do Brasil. Entre os resultados, os destaques da casa de análise estavam para CSN (CSNA3) e Gerdau (GGBR4).

Acompanhe:

CSN (CSNA3):

A receita liquida da CSN somou R$ 11,7 bilhões (+13,6% t/t e -1,2% a/a) pela melhora na mineração além de maiores volumes vendidos na siderurgia que compensou o aumento de 10,3% no CPV e menor diluição de custos fixos devido a menor produção pelo alto volume pluviométrico no trimestre.

Na mineração, a produção de minério de ferro somou 6,4 milhões de toneladas no 1T22, (- 7,2% t/t) em resultado das fortes chuvas em janeiro, assim como o volume de vendas (-10% t/t) pelo menor volume de embarques nos portos. Já na siderurgia as vendas apresentaram alta de 13% T/T, um total de R$ 7,8 bilhões, com destaque nos segmentos de distribuição e construção civil, compensando o ritmo mais lento nos setores de linha branca e de embalagens metálicas.

A divisão de cimentos atingiu uma receita líquida de R$ 386 milhões (-8,7% t/t e 39,3% a/a). O EBITDA consolidado somou R$ 4,7 bilhões (26,6% t/t e -18,7% a/a), e uma margem de 40,1%, incremento de 4,1p.p..

O lucro líquido no período de R$ 1,4 bilhão, uma alta de 28,6% T/T, mas queda de 76,1% A/A. A margem líquida foi de 11,6%. O nível de alavancagem permaneceu abaixo de 1x, encerrando o trimestre em 0,89x, dentro da meta estabelecida pela companhia.

“Positivo. O resultado operacional veio acima do esperado, justificada pela receita mais alta e despesas menores. Os preços realizados mais forte da mineração foram o destaque no periodo. Seguimos com a nossa recomendação de compra, e esperamos números melhores para os próximos trimestres, dada a sazonalidade.”

Gerdau (GGBR4):

A Gerdau reportou mais um trimestre positivo, indo na contramão de seus pares do setor nacional de siderurgia. A receita líquida atingiu R$ 20,3 bilhões, queda de -6% T/Te alta de 24% A/A, reflexo da redução do volume vendido, dos menores preços praticados no Brasil e da taxa de câmbio apreciada, que impactou as receitas originadas no exterior.

Na operação Brasil a receita líquida de R$ 8,0 bilhões demonstrou encolhimento de 10% frente ao 4T21, devido a acomodação da demanda em um cenário de elevação de juros.

As vendas na América do Norte tiveram alta de 4% ao 4T21, impactado pela boa demanda dos setores de construção não-residencial e manufatureiro. A receita líquida de R$ 8,2 bilhões cresceu 4% T/Te 40% A/A, resultado de um maior patamar de demanda e mudança no portfólio de produtos ofertados. O custo das vendas no 1T22 reduziu em relação ao 4T21, devido aos efeitos da queda no preço médio de compra de sucata e, principalmente, pela variação cambial no período.

A produção de aços especiais apresentou aumento em relação às produções do 4T21 e do 1T21. As vendas foram maiores que as do 4T21 e levemente inferiores ao 1T21. O bom desempenho dos setores de veículos pesados no Brasil e de óleo e gás nos Estados Unidos compensou os efeitos causados pelo desabastecimento dos semicondutores para o segmento de veículos leves.

A produção de aço na América do Sul no 1T22 foi superior em relação ao 4T21 e 1T21. As vendas do 1T22 apresentaram queda em relação ao 4T21, pela continuidade da sazonalidade no trimestre anterior e foram maiores comparadas ao 1T21. A demanda no setor de construção segue positiva e em bons patamares, com boas perspectivas principalmente na Argentina e no Uruguai.

O EBITDA ajustado totalizou R$ 5,8 bilhões (-2% T/Te 35% A/A) e margem de 28,6% (+0,9 p.p. T/Te 2,3 p.p. A/A) resultado de um bom patamar de demanda e preços de aço.

O lucro líquido ajustado no 1T22 foi recorde histórico da Companhia para um 1º trimestre, impulsionado pelo maior EBITDA alcançado no período. O fluxo de caixa livre foi positivo em R$ 3 bilhões sendo o oitavo trimestre consecutivo em que a Gerdau apresenta um número positivo.

“Positivo. A Gerdau, na contramão de seus principais pares domésticos, reportou resultados mais fortes, reforçando a nossa tese construtiva sobre a empresa, que segue sendo a nossa Top Pick no setor. Além disso, esperamos uma continuidade da tendência positiva da operação na América do Norte, sustentada pela demanda aquecida de construção e venda de aços especiais, principalmente no setor de automóveis. Localmente, reajustes de preços devem acontecer ao longo dos próximos trimestres, podendo melhorar as margens da empresa.”

Se você gostou deste conteúdo e quer continuar por dentro do mundo dos investimentos, não se esqueça de clicar aqui

Entre no nosso grupo de Trade

O post Gerdau (GGBR4) e CSN (CSNA3) estão nas análises do dia apareceu primeiro em 1 Bilhão Educação Financeira .

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários