Oi (OIBR3 e OIBR4): entenda porque a empresa de telecomunicações é uma das grandes promessas do mercado
Fernanda Capelli
Oi (OIBR3 e OIBR4): entenda porque a empresa de telecomunicações é uma das grandes promessas do mercado

Para quem acompanha o mercado de investimentos, principalmente o ações, sabe que vira e mexe a operadora Oi ( OIBR3 e OIBR4 ) vira notícia.

Isso porque os ativos da empresa, assim como a própria operadora em si, são considerados peças importantes dentro da Bolsa brasileira (B3).

Entretanto, algumas pessoas não conseguem entender porque. Afinal, na prática, a Oi é uma companhia falida que passa por uma série de problemas, como a recuperação judicial .

Portanto, por que a Oi é tão importante assim? Vale a pena investir em seus ativos? Entenda os motivos:

Leia Também

Passado da empresa

Para explicar a história da operadora e entender como chegamos até aqui, é necessário voltar no tempo. Precisamente, em 1998, quando houve a privatização das linhas telefônicas no Brasil, o que permitiu que empresas privadas atuassem no que até então era apenas um setor do estado. Dessa forma, a Oi nasce em 2007.

Sendo assim, desde seu nascimento, a trajetória da empresa virou uma verdadeira novela com capítulos dramáticos, com direito a corrupção, altos e baixos, até chegarmos nos dias atuais, em que seu destino ainda não foi definido.

A companhia Oi, que passou pela mão de diversas empresas como a Telecom, BNDES e Portugal Telecom, além de enfrentar uma gestão duvidosa, contraiu diversas dívidas e se viu sem nenhum tostão para pagar. O desfecho dessa história foi a recuperação judicial e o leilão dos seus serviços: telefonia móvel, torres, data centers e infraestrutura (V.tal – antiga subsidiária de fibra óptica InfraCo).

Presente da Oi

Depois de decretar falência, a Oi solicitou uma recuperação judicial que se estende de 2016 até os dias atuais. Esse processo faz parte do plano de recuperação da empresa.

Saiba mais em 1Bilhão , parceiro do iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários