Moedas digitais de bancos centrais podem agilizar pagamentos no exterior
Sophia Bernardes
Moedas digitais de bancos centrais podem agilizar pagamentos no exterior

Com o avanço da pandemia causada pelo novo coronavírus (Covid-19) , surgiram uma série de novidades surgiram. Um exemplo é a valorização da tecnologia e dos meios digitais como, por exemplo, as moedas digitais de bancos centrais (CBDCs).

Embora só existam em Bahamas no momento, os grandes bancos centrais do mundo já estão projetando a introdução delas em seus países. Sendo assim, o Banco Central do Brasil também anda estudando o desenvolvimento de suas moedas digitais.

Outro meio de pagamento muito utilizado atualmente, além do dinheiro em espécie, são as transferências e depósitos bancários. No entanto, apesar de terem segurança, ainda existem diversos riscos.

De acordo com Banco de Pagamentos Internacionais (BIS) , a implementação das moedas digitais de bancos centrais pode trazer uma série de facilidades para o dia a dia das pessoas.

Leia Também

O que são moedas digitais do BC?

Em resumo, as moedas digitais de bancos centrais representam uma nova maneira de dinheiro. Com um formato 100% digital, dinheiro e emitido pelos governos e funciona como uma moeda corrente legal.

Apesar de sempre confundidas e comparadas com a maior criptomoeda do mundo, o Bitcoin, estas apresentam uma condição que se diferem. Isto é, a criptomoeda é descentralizado, enquanto as moedas digitais são emitidas por um banco central.

Segundo o BIS (Banco de Compensações Internacionais), com a introdução delas nos países, os pagamentos internacionais podem sofrer redução de custo e levar um tempo menor para a transação ser, de fato, realizada. Em relatório publicado, ao invés de durar cerca de três a cinco dias para concluir as transações, podem levar segundos.

Visto que, as moedas digitais descomplicam os longos processos pelos quais os pagamentos passam ​​por meio de uma rede de bancos. Além disso, elas ainda podem reduzir quase 50% dos custos.

Quais existem?

Em Bahamas, por exemplo, as moedas digitais foram implementadas em outubro de 2020. Denominadas de “Sand Dollar”, a mesmas são emitidas pelo banco central, igual ao dólar bahamense (BSD).

Leia Também

Desse modo, diversos bancos centrais e governos estão explorando esta implementação. A moeda digital da China já se encontra em período de teste, centralizada no varejo e projetada para reproduzir o capital em circulação.

Saiba mais sobre as moedas digitais em 1Bilhão , parceiro do iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários