Pix: sequestros relâmpagos crescem 39% e bancos solicitam mudança na segurança
Sophia Bernardes
Pix: sequestros relâmpagos crescem 39% e bancos solicitam mudança na segurança

Instituições financeiras brasileiras solicitam ao Banco Central  uma revisão nas regras do sistema brasileiro de pagamentos instantâneos, o PIX, para impedir golpes, roubos e sequestros.

Segundo o pedido, a modernidade do PIX apresenta riscos maiores de sequestros relâmpagos. Após a implementação do serviço, houve um aumento de 30%, sem contar com golpes e roubos.

Crimes com PIX

Em suma, o PIX iniciou a atuação em novembro do ano passado. A partir de então, criminosos utilizam este recurso para aplicar golpes com mais facilidade ou para render a vítima e solicitar o pagamento instantâneo de grandes quantias.

Você viu?

Afinal, o serviço de transferência pode ser utilizado a qualquer momento de forma rápida e sem restrição de horário. No entanto, os criminosos adotaram a utilização de ‘contas laranjas’, que impossibilita os policiais de rastrear as contas e reter o dinheiro roubado.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, no primeiro semestre deste ano, o estado registrou 206 ocorrências de sequestros relâmpagos. Isso representa, um crescimento de 39% em relação a 2020.

Posto que não haviam tantas ocorrências de sequestros relâmpagos nos últimos anos até a implementação do PIX.

Saiba mais em 1Bilhão , parceiro do iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários