Bitcoin se recupera após superar a marca dos US$ 50 mil, maior cotação desde maio
Fernanda Capelli
Bitcoin se recupera após superar a marca dos US$ 50 mil, maior cotação desde maio

Ao fim do último domingo (22), o mercado acompanhou a criptomoeda mais famosa dar a volta por cima. Chegando a US$ 50 mil, o Bitcoin (BTC) voltou a subir e apresentou sua maior cotação desde de maio deste ano.

A alta é extremamente importante, pois a criptomoeda vinha passando por um longo período de queda, algo que vinha assustando seus investidores.

A princípio, o maior aumento do Bitcoin foi em abril desde ano, quando a cripto conseguiu alcançar o valor de US$ 64 mil. Mesmo assim, logo em seguida, ela despencou e chegou ao seu menor preço em 2021, cerca de US$ 30 mil.

Motivos da alta

A escalada do Bitcoin até os US$ 50 mil foi um processo. Isso porque, essa alta se deu devido a alguns fatores que favoreceram a criptomoeda. Entre eles, o incentivo dos EUA, que vai investir US$ 28 bilhões em uma legislação para a moeda digital.

Você viu?

Dessa forma, o projeto aprovado pelo presidente norte-americano, Joe Biden, deu uma sobrevida ao criptoativo. Além disso, com a readaptação dos mineradores que saíram da China, e a expansão da rede através de corretoras, tudo indica que o Bitcoin está caminhando para um período de cada vez mais valorização.

Vale lembrar que a criptomoeda teve uma alta de quase 60% em apenas 3 semanas, algo surpreendente até mesmo para o Bitcoin, conhecido como um dos investimentos mais voláteis que tem no mercado.

Saiba mais em 1Bilhão Educação Financeira , parceiro do iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários