Tamanho do texto

Negócio marca entrada da companhia no mercado de prata, chumbo e cobre

A Votorantim Metais assumiu nesta terça-feira o controle da mineradora peruana Milpo, a terceira maior produtora de zinco do país. Com um aporte de R$ 420 milhões, a empresa comprou 16,40% das ações com direito a voto da empresa peruana. Agora, a Votorantim detém pouco mais de 50% do capital votante. Além da expansão da produção de zinco, a aquisição representa a entrada da Votorantim no mercado de prata, chumbo e cobre, minérios ainda não produzidos pela empresa.

O negócio aumenta a competitividade da empresa no setor de metais, ao incluir novos produtos no seu portfólio, afirma João Bosco, diretor-superintendente da Votorantim Metais. "Com preços dos minérios flutuantes, a fórmula do sucesso neste negócio é ter ativos competitivos." Com a diversificação de produtos, a empresa pretende manter um fluxo de caixa mais estável, apesar da volatilidade das cotações.

A aquisição foi feita com recursos próprios da empresa faz parte de um plano de investimento de US$ 1,5 bilhão no Peru. Metade destes recursos será destinada à Milpo, segundo Bosco. O restante será aplicado na refinaria de Cajamarquilla, adquirida em 2004 pela Votorantim Metais. Apesar de assumir o controle da Milpo, a Votorantim continuará a administrar separadamente as duas empresas.

A Milpo pretende faturar US$ 500 milhões neste ano e atingir a marca de US$ 1 bilhão em 2013. Além de três minas polimetálicas no Peru e duas de cobre (uma delas no Chile), a Milpo possui uma plataforma de 16 projetos de exploração mineral.

Aquisição estratégica

O negócio amplia a atuação da Votorantim no mercado de zinco. Com o negócio, a capacidade produtiva de zinco da empresa ultrapassará 700 mil toneladas por ano. No Brasil, a Votorantim possui duas minas de zinco, mas, segundo os executivos da empresa, o país possui pouco potencial de exploração do minério.

A exploração de cobre pela Milpo também vai agregar um novo produto à Votorantim. "Para completar nosso portfólio, certamente faltava o cobre. Já fizemos uma pesquisa mineral no Brasil e o país não tem muitos reservas de cobre", afirmou o diretor-superintendente da empresa. Junto com as minas já em operação, os projetos da Milpo devem proporcionar uma exploração de 150 mil toneladas de cobre pela empresa em 2014.

Além de agregar novos produtos à Votorantim, a compra da Milpo também aumenta a presença da empresa no Peru, um mercado estratégico do ponto de vista logístico. Custos de exportação e energia mais baixos também favoreceram o negócio, afirmou Bosco.

O executivo ressaltou, no entanto, que a prioridade da empresa é investir no Brasil e atender o mercado doméstico. “O Brasil é a nossa plataforma principal de negócios, mas também temos que olhar para oportunidades fora daqui.” Segundo Bosco, a Votorantim estuda retomar projetos de investimento no Brasil que foram suspensos, mas ainda não há detalhes sobre estas operações.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.