Petrobras descobre mais petróleo na Bacia Sergipe-Alagoas

Companhia anuncia que poço que confirmou a nova reserva foi perfurado a 21 quilômetros da jazida Barra, uma nova e promissora área petrolífera

EFE |

EFE

A Petrobras informou nesta quinta-feira que descobriu reservas de hidrocarbonetos leves em um novo poço em águas muito profundas que perfurou na Bacia Sergipe-Alagoas, uma nova área petrolífera no oceano Atlântico, cuja descoberta foi anunciada no ano passado. A descoberta foi feita no bloco BM-SEAL-11, uma concessão na bacia Sergipe-Alagoas na qual a Petrobras é operadora com 60% de participação e tem como parceiro a empresa IBV Brasil (40%).

Agência Petrobras
Poço 1-BRSA-1083-SES (1-SES-167), informalmente conhecido como Farfan, na Bacia de Sergipe-Alagoas

A descoberta foi feita em um poço conhecido como Farfan, que foi perfurado a 109 quilômetros do litoral de Aracaju, a capital do estado brasileiro de Sergipe (nordeste do país), e em uma região do mar na qual a profundidade de água é de 2.720 metros. O poço que confirmou a nova reserva foi perfurado a 21 quilômetros da jazida Barra, cuja descoberta em setembro do ano passado permitiu à Petrobras apresentar a Bacia de Sergipe-Alagoas como uma nova e promissora área petrolífera no Brasil.

Leia mais: Petrobras confirma presença de gás no Poço de Júpiter, na Bacia de Santos

Segundo um comunicado divulgado pela Petrobras, a perfuração de Farfan até 5.582 metros de profundidade permitiu descobrir uma coluna de hidrocarbonetos de 44 metros. Dessa coluna com reservas, 40 metros correspondem a arenitos porosos portadores de hidrocarbonetos leves, explicou a Petrobras. A empresa brasileira informou que prosseguirá a perfuração do poço Farfan até uma profundidade de pelo menos 6.000 metros para analisar a rocha e os fluidos encontrados.

A Petrobras, líder mundial em tecnologias para a prospecção de petróleo em águas profundas, extrai cerca de 80% de sua produção da bacia oceânica de Campos, no sudeste do país. A companhia descobriu nos últimos anos enormes reservas no oceano Atlântico abaixo de uma camada de sal de dois quilômetros de espessura nas bacias de Campos e de Santos, que podem transformar o Brasil em um dos maiores exportadores mundiais de petróleo.

Leia tudo sobre: petróleopetrobraspré-salbarraBacia Sergipe-Alagoas

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG