Tamanho do texto

Empreendedores catarinenses erguem edifícios residenciais gigantes em Balneário Camboriú, para clientes endinheirados do Sul; infográfico mostra prédios mais altos do Brasil

Villa Serena, edifício da Embraed, com duas torres de 160 metros, é um dos mais altos do Brasil.
Divulgação
Villa Serena, edifício da Embraed, com duas torres de 160 metros, é um dos mais altos do Brasil.
Edifícios altos sempre foram símbolos de prestígio e poder econômico. Pirâmides, igrejas góticas, torres como a projetada na França por Eiffel. China e Dubai fornecem exemplos recentes disso. Mas mesmo durante a Grande Depressão americana, na década de 1930, disputas entre empresários deram origens a ícones como o Empire State Building. Da mesma forma que Nova York, nos Estados Unidos, a capital paulista, com seus bancos e indústrias, virou o epicentro brasileiro das extravagâncias construtivas. Prédios como o Edifício Itália, concluído em meados da década de 1960, são até hoje marcos de ascensão da uma colônia inteira de imigrantes.

Leia também: Balneário Camboriú planeja ampliar faixa de areia até 2013

Agora, porém, uma nova geração de prédios residenciais ameaça a hegemonia de São Paulo como terra dos arranha-céus mais altos do país. E dois dos principais responsáveis por este movimento são empresários catarinenses, com passado e presente ironicamente similares. Rogério Rosa e Francisco Graciola, respectivamente fundadores das construtoras Embraed e FG Empreendimentos, iniciaram a vida empresarial de forma bem menos glamorosa, como “reis do X-Salada”.

Os empreendimentos que têm projetado nacionalmente a dupla são edifícios de mais de 40 andares, que superam os 160 metros de altura e estão sendo construídos em uma pequena cidade do litoral de Santa Catarina, onde a densidade de prédios é uma das maiores do mundo. Espécie de Guarujá do Sul, Balneário Camboriú vê sua população de 150 mil habitantes passar de 1 milhão no verão, anabolizada por visitantes catarinenses, paranaenses, gaúchos, paulistas e argentinos.

Leia ainda: Balneário Camboriú é o Guarujá do curitibano

Com duas torres de 46 andares, o Villa Serena, da Embraed, por exemplo, tem apenas cinco metros a menos que o emblemático Edifício Itália, atualmente o segundo maior arranha-céu do Brasil. E o Alameda Jardins, da FG, será meros 20 centímetros menor que o líder atual do ranking, o Mirante do Vale do Anhangabaú. Mas, se contados só os prédios puramente residenciais, eles serão em breve os mais altos do Brasil.

Leia mais: Japão inaugura torre mais alta do mundo com 634 metros

A FG tem ainda outros três edifícios com perfil semelhante em obras e a Embraed faz planos de erguer um prédio com 73 pavimentos.

São, de modo geral, imóveis de luxo à beira mar, com não mais de duas unidades por andar e área de lazer que tem de piscina aquecida à sala de cinema. Dos apartamentos mais altos, é possível avistar toda a orla, e, ao fundo, os limites urbanos da cidade. Imóveis baratos, neste mercado, diz Carlos Haacke, presidente do Sindicato da Indústria da Construção local, saem por R$ 2 milhões. Mas coberturas podem chegar aos R$ 15 milhões.

É dinheiro que chega à cidade pelas mãos de fazendeiros do interior do Paraná e estados do Centro Oeste, que enriqueceram com o aumento do preço das commodities na última década. Ou de empresários de estados do Sul, donos de fábricas e empresas de serviços que prosperaram com o crescimento recente do país. Há também profissionais liberais, de médicos a engenheiros; jogadores de futebol e aposentados, muitos aposentados – concentrada, Balneário Camboriú permite que tudo seja feito a pé.

Passado modesto

Rosa costuma usar o contraste entre seu passado como dono de lanchonete e o presente à frente da Embraed para fazer graça, quando fala da própria trajetória empresarial. “Eu pensava em como me dar bem na vida e tudo que eu não queria era carregar peso”, diverte-se.

Veja também:

Os 10 edifícios mais altos do mundo

Os 10 edifícios mais altos da América do Sul

Quando um irmão faliu um trailer de lanches em Joaçaba, no Oeste catarinense, o empresário tinha dinheiro para salvar e assumir o negócio, que viria a ser seu primeiro sucesso comercial. Vendeu depois a um advogado e, com lucro, e voltou para Itajaí, onde moravam os pais. “Sou agradecido. Hoje, eu poderia ser o rei do X-salada de Joaçaba”, brinca.

Trailer de lanches de Rogério Rosa, da Embraed.
Divulgação
Trailer de lanches de Rogério Rosa, da Embraed.
Graciola, da FG Empreendimentos, foi ainda mais longe no ramo dos lanches e bebidas. De aprendiz de barbeiro, passou a titular e comprou uma lanchonete vizinha à barbearia, em Blumenau. Assumiu o negócio com a mulher e passou a usar as economias para adquirir outras. No auge, chegou a ter 15 empreendimentos, entre bares, restaurantes e choperias.

Tanto Rosa quanto Graciola entraram no ramo da construção em meados da década de 1980, e viram seus negócios explodirem a partir de 2003. Na época, ainda encontraram terrenos à beira mar para comprar e, principalmente, permutar por apartamentos nos prédios que pretendiam construir. Os dois foram mais rápidos que os concorrentes e garantiram a maioria dos espaços nobres da cidade, em condições favoráveis.

Arranha-céus

A decisão de construir prédios mais altos veio em seguida, para garantir que o investimento nos terrenos, cada vez mais valiosos, fosse diluído sem prejuízo ao padrão dos imóveis. No espaço de quatro prédios de dez andares, as duas construtoras passaram a projetar apenas um, mas com a mesma área útil dos quatro.

Leia também: Dubai: a vista do alto do Burj Khalifa

Mais alto e estreito, um edifício ganha em circulação de ar; espaço para a instalação e áreas de lazer no térreo, privacidade (as janelas ficam mais afastadas das dos edifícios vizinhos) e prestígio, em especial para quem vai morar na cobertura. “É um elemento de status”, afirma Mônica Barg, diretora de locação da consultoria Jones Lang LaSalle. “Trata-se de estar, literalmente, por cima”.

Não à toa, principalmente em cidades que têm vistas agradáveis, as unidades mais altas costumam custar de 20% a 25% mais caro, diz Mônica. Mesmo exigindo fundações mais caras, compensa.

“Principado”

O sucesso dos empreendimentos das duas construtoras até agora fez com que Graciola e Rosa ganhassem entre seus pares locais o status de visionários. Rosa, ao menos, se comporta como tal.

Francisco Graciola: dono da FG Empreendimentos chegou a ter 15 bares, restaurantes, lanchonetes e choperias em Blumenau (SC).
Divulgação
Francisco Graciola: dono da FG Empreendimentos chegou a ter 15 bares, restaurantes, lanchonetes e choperias em Blumenau (SC).
De pé na escada de madeira do lobby do Infinity Blue, seu resort na Praia dos Amores, em Balneário Camboriú, o empresário dificilmente seria reconhecido hoje por ex-clientes de seu trailer de lanches em Joaçaba, no Oeste de Santa Catarina, onde estabeleceu o primeiro negócio. De calça jeans e camisa polo, parado ao lado de um Mercedes esporte branco, ele fala sobre os planos que tem para o empreendimento turístico, que assumiu há cerca de oito meses e se tornou o centro de suas atenções.

Veja mais: vídeo sobre os 80 anos do Empire State Building

“O paraíso é muito comentado na Bíblia. Todo mundo que ir para lá. Nós vamos oferecer aqui um pedaço dele, para que as pessoas possam desfrutar em vida”, diz o empresário sobre o novo projeto do resort.

Sua versão mundana do Éden é uma espécie de “principado” do entretenimento para ricos aposentados, uma mistura de “Las Vegas, Miami e Dubai”, define. No papel, o projeto tem teatros com estrutura para receber espetáculos da Broadway, shopping centers de marcas de luxo, hotel de 40 andares, 2 mil apartamentos residenciais em 25 torres de 30 andares e estacionamento para 10 mil carros. Tem também 15 restaurantes temáticos à beira mar, berço de atracação para cruzeiros e marina para “300, 400 iates”, quase o número de sanduíches que Rosa vendia por dia no auge de sua primeira lanchonete.

Leia ainda: Nova York redesenha linha do horizonte com novo World Trade Center

O empresário ainda não tem dinheiro para tanto – o custo de construção é estimado em entre US$ 2,5 bilhões e US$ 3 bilhões. No ano passado, sua construtora teve receita de cerca de R$ 100 milhões, calcula. Mas acredita que o projeto é impactante o suficiente para atrair a maior parte de sua clientela tradicional, formada majoritariamente por empresários e agricultores dos estados do Sul. “Metade dos meus clientes são VIP. Vindos do Interior do Paraná”, brinca.

Reservado

Graciola, da FG Empreendimentos, é bem mais reservado. Seu filho Jean, sócio no negócio, é quem faz às vezes de porta-voz. Cabelos repartidos ao lado, impecavelmente penteados, Jean conta que no momento a empresa que comanda ao lado do pai está envolvida em um processo de profissionalização da gestão, que deverá estar concluído no ano que vem.

É parte de um projeto maior de expansão, que inclui a abertura de mercados emergentes no estado, como Lages, Indaial e Timbó; a entrada na área de prédios corporativos, em cidades como Blumenau, Balneário Camboriú e Itajaí; e a criação de uma nova marca, a NEO.G, para atuação em um segmento de renda intermediário, com apartamentos de até R$ 400 mil. Soa como o oposto do que pretende Rosa. Mas, como diz o fundador da Embraed, se não der certo, já valeu a pena.