Publicidade
Publicidade - Super banner
Empresas
enhanced by Google
 

Arezzo recolhe peças com pele de animais após polêmica no Twitter

Coleção Pelemania colocou a Arezzo entre trend topics do Twitter; empresa apagou comentários negativos em sua página no Facebook

Marina Gazzoni, iG São Paulo |

A Arezzo anunciou nesta segunda-feira que recolherá todas as peças da coleção Pelemania, que traz roupas e acessórios com peles de animais, após sofrer críticas de internautas nas mídias sociais. A campanha colocou a Arezzo em primeiro lugar entre os topic trends do Twitter no Brasil neste domingo. Hoje, a empresa está entre os dez assuntos mais comentados na rede social.

Divulgação
Arezzo lança coleção Pelemania, com roupas de coelho, raposa e cabra
“Não entendemos como nossa responsabilidade o debate de uma causa tão ampla e controversa. Um dos nossos principais compromissos é oferecer as tendências de moda de forma ágil e acessível aos nossos consumidores”, disse a companhia, em comunicado. “Por respeito aos consumidores contrários ao uso desses materiais, estamos recolhendo em todas as nossas lojas do Brasil as peças com pele exótica.”

A empresa começou a divulgar a coleção Pelemania nas mídias sociais na quarta-feira à noite, para uma rede de 4.496 amigos do Facebook e 24.482 seguidores no Twitter. A marca lançou peças com pele de raposa, coelho e ovelha. A Arezzo convidou os clientes a conhecerem as roupas em sua loja na rua Oscar Freire, em São Paulo.

No Twitter, a empresa foi acusada de maus tratos aos animais e muitos consumidores chegaram a dizer que não comprariam mais produtos da grife. “#Arezzo. Que feio usar pele de animais. Da próxima vez faz bolsa com a pele da própria designer”, disse a Eve Teixeira, no Twitter.

No Facebook, a Arezzo começou a apagar os comentários negativos. “As redes sociais são um espaço aberto para que todos possam expressar suas opiniões, entretanto, nos reservamos o direito de retirar mensagens com conteúdo ofensivo e agressivo”, escreveu a companhia em seu perfil.

Os internautas, no entanto, encontraram uma forma de ter seus comentários publicados. Quando apertavam o botão “curtir” na mensagem de divulgação da campanha postada pela Arezzo no Facebook, eles conseguiam comentar sem a moderação da empresa.

Algumas pessoas saíram em defesa da Arezzo no Twitter e no Facebook. “E a hipocrisia reina. O povo continua metendo pau na #arezzo e tá lá usando sapato de couro e se acabando no espeto de picanha”, escreveu Adauto Michelotti Jr, em sua página no Twitter.

- Divulgação
Bolsa da Arezzo com pele de raposa
Os erros da Arezzo

A empresa cometeu uma sequência de erros no lançamento da coleção Pelemania, afirma o professor de gestão de marcas da ESPM, Marcos Bedendo. O primeiro deles foi não fazer uma pesquisa de opinião para mensurar a recepção do público a uma coleção com peles de animais. “Há um ambiente geral que recrimina essa prática”, diz.

Como existe um nicho de consumidores que ainda compra roupas com peles de animais, a empresa poderia ter lançado a coleção, diz o professor. “Mas com mais sensibilidade.”

Para ele, a decisão de apagar as mensagens dos internautas em sua página do Facebook foi um “ato de desespero”. A empresa pode moderar comentários desde que divulgue um padrão para isso, como não permitir palavras de baixo calão. Mas as opiniões contrárias bem fundamentadas deveriam ter sido respondidas pela companhia.

Apesar do marketing negativo da campanha, o dano à imagem deve ser momentâneo, de acordo com o professor da ESPM. “As marcas conhecidas tendem a ter um capital de perdão do consumidor”, diz. A realização de uma campanha ecologicamente correta pode reconquistar o consumidor.

(Colaborou Carla Falcão)

Leia tudo sobre: ArezzopelecalçadosroupasTwitterFacebook

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG