Casa Civil confirmou estudos do governo, porém afirma que decisão cabe ao Ministério de Minas e Energia; até o momento horário de verão está mantido

Brasil Econômico

Horário de verão: amado por uns e odiado por outros já não gera a economia como em tempos anteriores. Com  isso governo pode extinguir medida
shutterstock
Horário de verão: amado por uns e odiado por outros já não gera a economia como em tempos anteriores. Com isso governo pode extinguir medida


Em dúvida quanto à efetividade da economia gerada pelo horário de verão, o governo brasileiro estuda a possibilidade de extinguir a medida. Em vigor desde 1931 no País, o sistema altera o horário em uma hora durante os quatro meses do verão em 10 estados mais o Distrito Federal.

Leia também: Banco Central eleva projeção de crescimento da economia para 0,7%

Dados do governo federal apontam que nos últimos 10 anos o horário de verão reduz, em média, de 4,5% da demanda de consumo de energia elétrica em horários de pico – a partir das 18 horas –, o que resulta em uma economia absoluta de 0,5%.

A confirmação da informação foi feita pela Casa Civil , porém cabe ao Ministério de Minas e Energia a decisão sobre o assunto. A Casa Civil afirmou apenas que o estudo do governo tem como base os dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (NOS).

Enquanto o governo faz estudos para decidir se o horário diferenciado permanecerá em vigor, os consumidores que gostam dos dias mais longos aguardam ansiosamente pelo horário de verão, que tem perspectiva de começar no dia 15 de outubro e ficar até o dia 18 de fevereiro, época de verão no Brasil.

Leia também: Série Stranger Things ganha bar temático e Netflix tem reação inusitada; veja

Dados

A porcentagem de economia absoluta de 0,5% pode parecer mínima, mas estudos apontam que o horário diferenciado durante os quatro meses é capaz de economizar o consumo mensal de Brasília, que tem mais de 2 milhões de habitantes.

No ano passado o governo viu ser economizado cerca de R$ 147,5 milhões no verão, uma vez que o consumo de energia, tanto residencial quanto de iluminação pública, é reduzido, sendo  utilizado, em média, duas horas a menos ao dia.  

O governo usa a medida para evitar uma sobrecarga nas linhas de transmissão durante os dias de calor, em especial no horário considerado de pico no País – entre 18h e 19h.  O horário de verão não atinge o Brasil inteiro, apenas 10 estados mais o Distrito Federal adiantam o relógio em uma hora durabnte os quatro meses de verão. 

Leia também: Google lança aplicativo que faz pagamento com frequências ultrassônicas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.