“Recomendo diversificar aonde se coloca o dinheiro, escolhendo os mais adequados para os sonhos de curto, médio e longo prazo”, diz especialista

Brasil Econômico

Esta semana foi marcada por patamares históricos do Ibovespa . Quem acompanha o mercado de ações viu que a pontuação atingida foi de 74.538 pontos, com uma alta de 0,30% na última terça-feira (12). Diante dessas elevações, o presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin) e da DSOP Educação Financeira, Reinaldo Domingos, levanta a seguinte questão: chegou a hora de fazer investimentos?

Leia também: Finanças: três armadilhas financeiras que acabam com o seu dinheiro!

Investimentos: existem custos de corretagem para cada operação realizada, que variam de acordo com cada corretora, taxa de custódia e taxa de emolumentos
shutterstock
Investimentos: existem custos de corretagem para cada operação realizada, que variam de acordo com cada corretora, taxa de custódia e taxa de emolumentos

O especialista conta que a resposta não é tão simples assim.  Efetuar investimentos , não é para amadores. Antes de responder a pergunta se é hora ou não de investir, Domingos pontua algumas coisas:

1.     O que são ações

Primeiramente deve-se entender que ao investir na bolsa de valores, o que está sendo feito é a compra de parte de uma empresa de capital aberto, se tornando um de seus sócios.

E entre os tipos de ações há as preferenciais (PN). Nesta modalidade, o investidor tem preferência no pagamento da parcela do lucro. Enquanto que nas ordinárias (ON) o acionista tem direito de voto, porém com menor peso na hora da distribuição dos lucros.

De acordo com Domingos, essa modalidade é de alto risco, visto que depende da saúde da empresa, e que, portanto é mais indicada para sonhos de longo prazo.

Leia também: Apple apresenta iPhone X com tela maior e reconhecimento facial

2.     Prós e contras

A compra de ações é um investimento de renda variável, que tende a gerar maior rentabilidade. E um dos pontos positivos é que, com a popularização do assunto, há muito mais informações - como os diferentes tipos de liquidez - disponíveis para quem pretende se tornar um investidor.

“Contudo, ao mesmo tempo em que permite um rendimento maior, a renda variável deixa o investidor sujeito a maiores riscos e perdas, especialmente caso precise vender as ações em baixa. Portanto, é preciso ter consciência de que o mercado financeiro é instável e pode mudar a qualquer momento”, aponta.

Entre os contras está o fato de que existem custos de corretagem para cada operação realizada, que variam de acordo com cada corretora, taxa de custódia e taxa de emolumentos.

Além disso, há incidência de Imposto de Renda (IR): 0,005% é retida na fonte e o restante - 14,995% - sobre os ganhos líquidos na venda ou liquidação da ação, que deve ser recolhido mensalmente pelo investidor. Vale destacar que quem vende até R$ 20 mil por mês no mercado à vista está isento do IR.

3.     Hora de investir?

Todo período pós-crise é momento de investir, diz Domingos, pois, se a economia cresce, as empresas também têm altas e as ações consequentemente se valorizam. Antes de partir para a ação, também é necessário aprender como investir e isso não significa apenas colocar o dinheiro na linha da moda.

“Sempre recomendo diversificar aonde se coloca o dinheiro, ou seja, o mais importante é diversificar os investimentos, escolhendo os mais adequados para os objetivos e sonhos de curto, médio e longo prazo”, aponta Domingos.

Ele pontua que o Ibovespa é interessante para as pessoas que projetam sonhos de longo prazo, ou seja, aqueles que a maioria acredita que não irá se realizar por ser algo bem distante, acima de 10 anos.

Devido ao cenário de altos riscos para investimentos, Domingos avalia que é sempre bom buscar especialistas. Entretanto, essa ajuda não significa que o acionista não deve acompanhar de perto o que está acontecendo, pelo contrário, deve-se ter a certeza de que o seu dinheiro está sendo cuidado de forma adequada. “Evite direcionar mais do que 20% do patrimônio investido nesta linha específica. Assim feito, é contar com a inteligência e a sorte”, conclui.

Leia também: Inadimplentes: Mais de 59 milhões de brasileiros têm contas em atraso

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.