Dono do salão de beleza, que causou polêmica com placa preconceituosa, afirma não prestar serviço a clientes com sobrepeso devido a prejuízos

Brasil Econômico

Em Memphis, Estados Unidos, uma nova “norma” adotada pelo salão de beleza Rose Nails causou indignação em internautas de diferentes países.  Ao ir fazer a unha no respectivo salão de beleza, a jovem Deshania Ferguson se deparou com um aviso sobre a cobrança de uma taxa extra para atender clientes com sobrepeso. As informações são do site Hello Giggles. 

Leia também: Confira cinco direitos pouco conhecidos pelos consumidores

Comunicado exposto na porta de entrada do salão de beleza Rose Nails
Facebook
Comunicado exposto na porta de entrada do salão de beleza Rose Nails

“Nos desculpem, mas se você estiver acima do peso, será cobrado 45 dólares - cerca de 140 reais - pela pedicure em virtude de taxas de serviço para as profissionais“, informa o comunicado na porta de entrada do salão de beleza .

Em um post em sua página do Facebook, Deshania expôs sua aversão a placa de caráter preconceituoso: “Fui fazer as minhas unhas no salão de cabeleireiro e eles tinham esta placa pendurada. Tão rude!“.

Em sua página do facebook, cliente expôs sua indignação diante o aviso do estabelecimento
Facebook
Em sua página do facebook, cliente expôs sua indignação diante o aviso do estabelecimento

A publicação da jovem, que já foi compartilhada mais de 600 vezes, chamou atenção de um canal de televisão americano, que foi até o local saber o motivo do comunicado. Em entrevista, o dono do Rose Nails, Son Nguyen, afirmou que a placa não era de seu estabelecimento, porém, que pretendem não atender clientes que consideram acima do peso devido aos “prejuízos” causados ao salão e a dificuldade das manicures de efetuar o serviço para os mesmos.

Leia também: Dia Internacional do Consumidor: Conheça 10 direitos fundamentais

Nguyen ainda afirmou ao WREG que duas cadeiras já foram quebradas por conta do sobrepeso de clientes.

Discussão

No Facebook, consumidores expressaram sua ira diante do caso: “Eu consigo entender o que eles querem dizer, mas eu jamais compartilharia uma placa tão rude e desrespeitosa. Faz parte do negócio, acomode os seus clientes“, comentou uma usuária da rede.

A polêmica gerada pelo salão de beleza vem sendo discutida nas redes sociais, tomando grande proporção em relação à discriminação e ao constrangimento sofrido não só por fregueses do Rose Nails, mas de possíveis locais que queiram adotar essa prática segmentada no que diz respeito ao atendimento e prestação de serviços.

Leia também: "Livro para mulheres" e cerveja rosa: veja gafes de empresas com as consumidoras

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.