Decisão foi impulsionada após a deflagração, na última sexta-feira (20), da Operação Carne Fraca, que encontrou irregularidades em empresas no País

Brasil Econômico

O escândalo deflagrado na última sexta-feira (17) pela Polícia Federal em sua Operação Carne Fraca repercutiu negativamente no exterior. Na manhã desta segunda-feira (20) a União Europeia (EU) informou a suspensão temporária das empresas envolvidas na operação.  Em coletiva de imprensa o porta-voz da Comissão Europeia, Enrico Brivio, afirmou que a punição pelas infrações, caso confirmadas, será a suspensão permanente das empresas em negociações com a UE.

Leia também: Banco Central bloqueia R$ 2 milhões de 46 investigados na Operação Carne Fraca

Empresas da Carne Fraca venderam para 33 países ou blocos em 60 dias
Arquivo/Tânia Rêgo/Agência Brasil
Empresas da Carne Fraca venderam para 33 países ou blocos em 60 dias


“A Comissão garantirá que quaisquer dos estabelecimentos implicados na fraude sejam suspensos de exportar para a UE", disse Brivio.  Segundo as agências internacionais de notícias como a Reuters e a Bloomberg, Brivio afirmou durante a coletiva que, assim que a Comissão soube dos fatos expostos pela Operação Carne Fraca , solicitou esclarecimentos sobre os fatos às autoridades brasileiras. 

Em primeiro momento, Brivio afirmou que a suspensão envolve as importações de frango, já que foi a carne com maiores evidências de fraudes.  Entretanto, o escândalo não terá impacto negativo nas negociações atuais entre a União Europeia e o Mercosul, uma vez que ambos tentam chegar a um acordo de livre comércio.

Leia também: Em áudio divulgado pela PF, empresários decidem usar cabeça de porco em linguiça

Coreia e China

Também na manhã desta segunda-feira (20) foi a vez da China e da Coreia do Sul, dois importadores de carne de frango do Brasil, anunciaram medidas preventivas frente ao escândalo envolvendo frigoríficos brasileiros. Segundo a Reuters, o Ministério da Agricultura da Coreia do Sul emitiu comunicado informando que vai banir a venda de produtos da marca BRF de forma temporária.  Foi informado ainda critérios mais rígidos de fiscalização até que as investigações sejam concluídas e que os fornecedores brasileiros terão, a partir de agora, que entregar um certificado de saúde emitido pelo governo brasileiro.

Em nota oficial a BRF afirmou não ter sido notificada da suspensão. “Diferentemente do que vem sendo noticiado, a BRF informa que não recebeu nenhuma notificação oficial das autoridades brasileiras ou estrangeiras a respeito da suspensão de suas fábricas por países com os quais mantém relações comerciais, incluindo Coreia do Sul e União Europeia”.

A decisão da China está em linha com os demais países importadores da carne do Brasil. O país, afirmou ter suspendido, de forma temporária, a importação de insumos do Brasil até que tudo de esclareça.  Os três países representaram 27% das exportações de carne brasileiras em 2016. 

Novas suspensões

O Chile também optou por suspender as importações de carnes do Brasil após o escândalo da Operação Carne Fraca. Em primeiro momento e por meio de nota oficial o ministro da Agricultura chileno, Carlos Furche, informou que a restrição era apenas para carne bovina. Posteriormente voltou atrás e enfatizou que a suspensão envolve todos os tipos de carne que são importadas do Brasil.


Leia também: Boletim Focus reduz projeção da inflação para 4,15% este ano

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.