Principais motivações dos entrevistados são a realização de um sonho, a qualidade de vida e a possibilidade de altos ganhos ao se tornar chefe

Brasil Econômico

A ideia de se tornar empreendedor nos próximos anos está cada vez mais presente entre os brasileiros. De acordo com uma pesquisa divulgada na terça-feira (10) pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), dois em cada três pessoas na faixa etária dos 25 a 35 anos. Os dados foram utilizados para produzir o estudo Jovens Empresários Empreendedores.

+ Pesquisa aponta que empresários do Brasil são mais otimistas que os dos EUA

As principais motivações dos futuros empreendedores são a realização de um sonho (76,4%), qualidade de vida (75,6%), altos ganhos financeiros (70%), mercado promissor (66,1%) e não ter chefe (64,5%). O levantamento traçou o perfil a partir de 5.861 entrevistas com homens e mulheres de nove cidades do mundo, incluindo Rio de Janeiro e São Paulo. Os participantes da pesquisa são das classes A, B ou C, possuem ensino superior completo ou em andamento.

Estudo revelo que empreendedores brasileiros estão mais ligados às causa éticas e socioambientais
shutterstock
Estudo revelo que empreendedores brasileiros estão mais ligados às causa éticas e socioambientais

+ Brasil arrecada US$ 999 milhões com exportações em 2016, diz Abicalçados

O estudo revelou que, no Brasil, aqueles que já empreendem estão mais ligados às causas éticas e socioambientais do que jovens de outras regiões. No País, esse índice chega a 68,3%, contra média de 49% das outras sete cidades pesquisadas: Nova Iorque (Estados Unidos), Londres (Inglaterra), Berlim (Alemanha), Madri (Espanha), Xangai (China), Bombaim (Índia) e Moscou (Rússia). Em Nova Iorque e Londres, por exemplo, a preocupação com causas do tipo foi citada em apenas 22% das respostas.

Para o gerente de Pesquisa e Estatística da Firjan, Cesar Kayat Bedran, a diferença chama atenção. "A gente categorizou esses jovens empreendedores brasileiros como uma geração híbrida. Isso porque eles têm a criatividade do empreendedor e a inquietude do jovem, mas carregam um senso de responsabilidade de gerações anteriores, de pais e avós", explica. "Eles têm uma preocupação mais considerável com questões socioambientais do que em outros países que, em alguns casos, são mais individualistas, mais preocupados em ganhar dinheiro", explicou.

Empreender por escolha

No Brasil, 82% dos jovens empresários já passaram por um primeiro emprego formal antes de empreender. "Não é uma opção para desempregados. Eles escolhem empreender", destaca Bedran. O dado se contrasta com outras cidades, como Bombain, onde a maior parte dos jovens (67%) somente estudava antes de abrir o próprio negócio. A jornada dupla, ou seja, o empreendedor que também tem uma ocupação formal, está presente com mais intensidade em São Paulo, Rio de Janeiro, Nova Iorque e Berlim.

Quando a lucratividade do negócio é levada em consideração, quase metade (40%) dos jovens empresários brasileiros tem pouco ou nenhum lucro. Em Berlim, por exemplo, cerca de 55% dos negócios são lucrativos.

+ Ranking lista os melhores países do mundo para se trabalhar como estrangeiro

A pesquisa também destacou a preocupação com o endividamento no momento de abrir uma empresa. No Brasil, somente 18% dos jovens empreendedores recorrem a financiamento; cerca de 60% deles afirma que já tinha o dinheiro para investir. De acordo com os entrevistados, juros altos e burocracia foram os motivos alegados para não se endividar. Os brasileiros também foram os que mais citaram o cenário econômico e político como um limitador da atividade (67,3%).

* Com informações da Agência Brasil.

Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.