Tamanho do texto

Washington, 1 dez (EFE).- As vendas de automóveis nos Estados Unidos tiveram uma leve melhora em novembro, evidenciando as dificuldades do setor para se recuperar após a crise de demanda iniciada no final de 2008.

Por mais um mês, a montadora que mais sofreu para tentar sair do buraco da crise financeira foi a Chrysler, cuja demanda caiu 25% em relação a novembro do ano passado.

A terceira maior montadora dos EUA, que é administrada pela italiana Fiat desde que saiu da concordata, em maio, disse que em novembro suas vendas caíram para 63.560 veículos, 22 mil a menos do que há um ano.

Para tentar deter as perdas, a Chrysler anunciou hoje uma nova rodada de incentivos com os quais tentará atrair mais motoristas para suas concessionárias, desde financiamento a 0% durante 60 meses até dinheiro, de US$ 2 mil a US$ 4 mil dependendo do modelo.

As outras duas grandes montadoras americanas tiveram mais sorte.

A General Motors (GM) reportou perdas de apenas 2,2% nas vendas, enquanto a Ford disse que suas vendas de automóveis se mantiveram nos mesmos níveis de um ano atrás.

Em números, a GM vendeu 151.427 veículos e a Ford, 123.167.

Entre os fabricantes estrangeiros, a Toyota terminou o mês com alta de 2,6% em suas vendas e com 133.700 veículos a mais na rua, enquanto a Nissan disse que suas vendas aumentaram 20,8% (56.288 unidades), enquanto as da Honda caíram quase 3%.

Mas quem realmente se saiu bem em novembro foi, novamente, a sul-coreana Hyundai-Kia. Segundo a companhia, suas vendas da marca Hyundai cresceram 46% em comparação com as do mesmo mês de 2008 e totalizaram 28.045 unidades.

A marca Kia teve um aumento de vendas de 18,3% com a venda de 17.955 unidades.

Neste ano, a demanda por veículos da Hyundai cresceu 6,2%, chegando a 401.267 veículos, e a da Kia, 7,8%, para 279.015. Mesmo assim, os sul-coreanos esperavam mais do penúltimo mês de 2009.

"Embora continuemos tendo lucros substanciais e um crescimento sustentado da fração de mercado, a verdade é que esperávamos que a economia e o conjunto do setor tivessem se recuperado um pouco mais do que estamos vendo atualmente" disse em comunicado Dave Zuchowski, vice-presidente de Vendas da Hyundai nos EUA.

Neste sentido, a GM disse que a economia americana está se "fortalecendo", o que é um sinal esperançoso para o futuro.

"Estimamos que a construção de imóveis provavelmente crescerá até 650 mil unidades no final de 2010, o que terá um efeito positivo na economia e também ajudará a melhora das vendas de picapes leves", disse Mike DiGiovanni, diretor-executivo de Análise de Mercados da GM.

A melhora das perspectivas para 2010 permitiu que a Ford anunciasse hoje que planeja produzir 550 mil veículos na América do Norte no primeiro trimestre desse ano, praticamente 200 mil unidades (58%) a mais do que no primeiro trimestre de 2009.

Da mesma forma, a GM disse que pretende fabricar 650 mil veículos no primeiro trimestre do próximo ano, 75% a mais do que nos três primeiros meses de 2009.

O grupo Honda também disse que está observando uma crescente recuperação do interesse dos consumidores na medida em que a crise econômica perde força.

"Estamos observando oportunidades de crescimento em diversas áreas do mercado. Estamos voltando a ver consumidores interessados em vários segmentos, incluindo o das picapes leves" afirmou John Mendel, vice-presidente executivo de Vendas de Honda nos EUA. EFE jcr/bba

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.