Tamanho do texto

SÃO PAULO - Diferentemente do que aconteceu nos últimos anos, a Vale irá aguardar as negociações de suas rivais australianas com as siderúrgicas chinesas para definir o novo preço do minério de ferro que venderá ao pais asiático. A informação foi dada hoje pelo presidente da mineradora brasileira, Roger Agnelli, que palestrou para alunos da Faculdade de Direito da USP No ano passado, a gente negociou antes e os australianos conseguiram o nosso preço.

Dessa vez, a gente não vai dar o preço, a gente segue o preço deles; se for conveniente para nós", disse o executivo.

Agnelli lembrou que as mineradora australianas BHP Billiton e Rio Tinto estão hoje em melhores condições de negociar com os chineses devido à maior proximidade entre os dois países, combinada com o cenário de oferta abundante de minério. Mesmo assim, fez questão de frisar que a Vale é a maior fornecedora de minério de ferro do mundo, enquanto que os chineses são os maiores compradores do produto. "É um queda de braço interessante, importante", disse ele.

Sem dar números, Agnelli informou ainda que as vendas da Vale para a China bateram recorde histórico no primeiro trimestre deste ano, conforme havia previsto na época da divulgação do balanço anual.

Após a palestra, durante a sessão de perguntas respostas, um tumulto causado por um grupo de estudantes interrompeu o evento por cerca de 15 minutos. Aos gritos de "a Vale é do povo", os estudantes criticaram a privatização da mineradora e chegaram a insultar Agnelli.

(Murillo Camarotto | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.