Tamanho do texto

Discussões que seguem por esta semana serão focadas nas normas de liberalização comercial entre países dos blocos

A União Europeia (UE) e os países do Mercosul (Argentina, Brasil, Uruguai e Paraguai) retomaram nesta segunda-feira em Bruxelas as negociações de um acordo de associação e, ao longo de toda a semana, tentarão seguir avançando nas questões de cooperação e nas regras comerciais.

Os negociadores de ambas as partes trabalham desde esta segunda para aproximar posições e está previsto que a delegação sul-americana seja reforçada a partir da quinta-feira com a chegada da ministra da Indústria argentina, Débora Giorgi, cujo país preside o Mercosul atualmente. No campo comercial do acordo, o que apresenta mais dificuldades, a UE e os países do Mercosul ainda não começaram a tratar do acesso de seus produtos aos mercados, indicaram fontes da Comissão Europeia à Agência Efe.

Assim, áreas sensíveis da negociação, como os capítulos sobre alfândegas e facilitação do comércio, barreiras técnicas ao comércio e o mecanismo para resolução de conflitos não serão abordadas ainda. As discussões serão focadas nas normas de liberalização comercial, ou seja, os aspectos do acordo relacionados às regras, nas quais a parte europeia mantém a expectativa de registrar progressos.

As fontes destacaram a importância de acertar essas normas e lembraram que o objetivo dos negociadores é "avançar o máximo possível no trabalho técnico antes de trocar ofertas sobre acesso a mercados". Por enquanto, a UE ainda não acertou uma data com o Mercosul para iniciar a troca mútua de propostas sobre acesso aos mercados, indicaram as fontes, que lembraram que o momento deve ser discutido e aprovado com o Mercosul.

A UE e o Mercosul retomaram as negociações para obter um acordo de associação em maio de 2010, após as sessões terem ficado suspensas em 2004. O acordo que buscam criará a maior área de livre comércio do mundo, mas para consolidá-la terão que resolver suas diferenças em temas conflitantes como as trocas de bens agrícolas, serviços e investimentos, entre outras questões.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.