Tamanho do texto

Grupo vai receber US$ 206, menos do que era preciso pagar para entrar no negócio, acusado de ser pirâmide bilionária

Além do Brasil, a Telexfree se espalhou por países como Peru, República Dominica e Estados Unidos
Arquivo pessoal
Além do Brasil, a Telexfree se espalhou por países como Peru, República Dominica e Estados Unidos

A primeira indenização coletiva paga a um grande grupo de vítimas da  Telexfree será menor do que era preciso investir para entrar no negócio. Os beneficiadoss são 14 mil moradores do Estado norte-americano de Massachussetts, onde a empresa – acusada de ser uma  pirâmide financeira bilionária – nasceu.

Cada vítima irá receber US$ 205,52, de acordo com um comunicado divulgado nesta sexta-feira (14) pelo secretário de Estado da Comunidade de Massachusetts, William F. Galvin. O valor é inferior aos US$ 299 cobrados pelo pacote mais barato de adesão ao negócio. O mais alto custava US$ 1.375.

"Apessar de o dinheiro não atender completamente as vítimas da Telexfree, a distribuição oferece um primeiro alívio monetário real para as vítimas desse esquema de pirâmide internacional residentes em Massachusetts", disse Galvin, em comunicado.

Ao todo, as indenizações somam US$ 2,9 milhões. O dinheiro faz parte de um fundo criado pelo banco Fidelity Cooperative, cujo proprietário é John Merril, irmão de James Matthew Merrill, um dos donos da Telexfree.

A comissão de valores mobiliários de Massachussetts obrigou a instituição a constituir o fundo para compensar o fato de não ter identificado, a tempo, atividades suspeitas nas contas da Telexfree. À época, o Fidelity alegou que cooperava com as investigações. Procurado, não comentou até a publicação desta reportagem.

Além dos US$ 2,9 milhões, mais US$ 600 mil serão distribuídos a outros dois grupos de residentes em Massachusetts. O número de beneficiados ainda é desconhecido.

A indenização anunciada nesta sexta-feira (14) não tem relação com o processo de cadastramento de vítimas da Telexfree pelo FBI, a polícia federal norte-americana, nem com o processo de recuperação judicial enfrentado pela empresa nos EUA. Ambos procedimentos ainda podem resultar em outros ressarcimentos, inclusive a brasileiros.

No Brasil – onde a Telexfree movimentou cerca de US$ 450 milhões e atraiu 1 milhão de pessoas –, o processo que busca obrigar a empresa a indenizar os investidores é do Ministério Público do Acre e tramita na 2ª Vara Cível de Rio Branco. O caso ainda não foi julgado.

A Telexfree não se pronunciou até a publicação desta reportagem. Em outras ocasiões, a empresa sempre negou irregularidades.

Em todo o mundo, a Telexfree arrecadou US$ 1,2 bilhão de cerca de 2 milhões de investidores.

Leia também

- DFRF é pirâmide financeira de R$ 50 milhões, diz autoridade dos EUA

- Suspeita de pirâmide, BBom se livra de ação por crime contra o sistema financeiro

- Empresa lançada no Senado promete lucros de R$ 67 mil e deixa associados na mão

Nota da redação: Uma versão anterior desta reportagem informava o número incorreto de pessoas que investiram na Telexfree. O número correto é 2 milhões.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.