Tamanho do texto

A taxa de desemprego nos Estados Unidos caiu para 10% em novembro, de 10,2% em outubro. O dado veio melhor do que a previsão média de economistas, de estabilidade da taxa em 10,2%, que havia sido o maior nível desde abril de 1983.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237575331038&_c_=MiGComponente_C

O número de empregos cortados no país desacelerou fortemente em novembro e a taxa de desemprego apresentou um inesperado declínio, num sinal de que o mercado de trabalho está finalmente começando a melhorar à medida que a economia se recupera.

Houve queda de apenas 11 mil vagas nas folhas de pagamento (payrolls) no mês passado, num recuo acentuado em relação ao declínio de 111 mil empregos (dado revisado) em outubro, com a recuperação estimulando as companhias a manterem os empregados, disse o Departamento do Trabalho. Foi o melhor resultado do payroll desde dezembro de 2007, quando as vagas cresceram 120 mil, disse um funcionário do Departamento do Trabalho. Economistas previam corte de 125 mil vagas.

Setores

O emprego no setor de serviços dos EUA, o maior empregador do país, aumentou em 58 mil vagas em novembro. Esse desempenho, no entanto, foi ultrapassado pela perda de 41 mil vagas na indústria de transformação e pelo corte de 27 mil posições entre as companhias de construção. O emprego no setor de cuidados com a saúde aumentou em 21 mil vagas em novembro. O número de posições nesse setor cresceu em 613 mil desde que a recessão começou, no final de 2007.

O relatório divulgado nesta sexta-feira pelo Departamento de Trabalho mostrou também aumento de 0,1% da remuneração média por hora, ou US$ 0,01, para US$ 18,74. A semana de trabalho média aumentou em 0,2 hora, para 33,2 horas em novembro. As informações são da Dow Jones.

Leia mais sobre: desemprego

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.