Tamanho do texto

Professor da Universidade da Califórnia, em Berkeley, faz duras críticas à agência de classificação Standard & Poor's

selo

O economista Barry Eichengreen, professor de Economia e Ciência Política na Universidade da Califórnia, em Berkeley, fez duras críticas à agência de classificação de risco Standard & Poor’s, após o rebaixamento da nota de crédito dos EUA.

"É interessante essa história que a S&P cometeu um erro aritmético de US$ 2 trilhões, corrigido pela Casa Branca, e ainda assim não mudou sua decisão", disse Eichengreen à Agência Estado, em Nova York. Ele é autor de vários livros, entre eles, "Globalização do Capital" e "Crises Financeiras" e escreve artigos para o jornal O Estado de S. Paulo. "Isso mostra que as decisões deles são tomadas por uma aritmética confusa, motivações políticas e o desejo de consertar sua reputação mais do que qualquer análise profunda da dinâmica da dívida dos Estados Unidos", completou.

Antes de tornar pública sua decisão, a S&P comunicou ao Tesouro norte-americano, na sexta-feira à tarde, que iria fazê-lo e mostrou sua análise ao governo dos Estados Unidos.

Funcionários do Tesouro, no entanto, avaliaram que a S&P havia feito um erro de cálculo de cerca de US$ 2 trilhões nas projeções de déficit do governo e comunicaram a agência. A S&P teria reconhecido o erro, mas manteve sua decisão.

A S&P é a primeira das três grandes agências de rating (as outras são a Moody's e a Fitch) a rebaixar a nota dos EUA.

As agências passaram a ser alvo de críticas durante a crise de 2008, desencadeada pelas hipotecas subprime, porque muitas delas carregavam nota de grau de investimento, mas não eram seguras como se dizia.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.