Tamanho do texto

Berlim, 25 jul (EFE).- O sindicato do setor de serviços alemão Ver.

di anunciou hoje uma greve indefinida na Lufthansa (empresa aérea alemã) a partir da próxima segunda, depois de 90,7% dos funcionários de cabine e terra votarem a favor da medida.

As negociações salariais fracassaram há duas semanas, depois de o Ver.di considerar insuficiente a oferta da companhia, que consistia em um aumento salarial em duas fases no total de 6,7%, além de um pagamento único extra. O sindicato exigia um aumento de 9,8% para os 50 mil empregados.

A greve começará à zero hora de segunda-feira, terá caráter indefinido e atingirá todos os departamentos da companhia aérea, disse o representante nas negociações do Ver.di, Erhardt Ott.

Com isto, será agravado o conflito trabalhista da companhia, que esta semana já criticou a greve realizada pelos pilotos de suas filiais Cityline e Eurowings.

A Lufthansa foi obrigada a anular na terça e na quarta mais de 900 vôos por causa da greve de 36 horas dos pilotos, mobilização que prejudicou cerca de 30 mil passageiros.

Tratava-se da maioria de suas conexões aéreas dentro da Alemanha e da Europa com aviões pequenos, mas os viajantes puderam mudar suas reservas de vôos ou optar por viajarem de trem.

Entretanto, a greve dos funcionários de cabine e terra da companhia é muito maior e coincide com o início das férias de muitos cidadãos.

No entanto, a companhia aérea espera que apenas uma "pequena parte" de seus funcionários se junte à greve.

Tal declaração foi dada pelo porta-voz da companhia, Thomas Jachnow, depois de o Ver.di informar o resultado da votação entre os funcionários, que, segundo fontes sindicais, foi de 90,7% pelo início da greve.

Jachnow afirmou que a maior parte de seus funcionários não participou da votação, e lembrou que o sindicato havia dado a porcentagem de resultados, mas não a de participação.

Segundo Ott, a greve atingirá todos os departamentos da companhia, apesar de não ser realizada em todas as áreas ao mesmo tempo.

Ott pediu ao presidente da Lufthansa, Wolfgang Mayrhuber, para voltar à mesa de negociações com uma oferta melhor. EFE gc/fh/fal

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.