Tamanho do texto

A expectativa é que amanhã haja redução da alíquota de 20% para cerca de 1%

selo

O setor de proteínas - suínos, aves e bovinos - aguarda para esta terça-feira o anúncio da desoneração da folha de pagamento por parte do governo. Segundo o diretor de Mercado Interno da Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipecs), Jurandi Machado, em conversas com jornalistas na 11ª Feira Latino-Americana da Indústria de Aves e Suínos (AveSui América Latina), em São Paulo, a expectativa é de reduzir a alíquota de 20% de contribuição patronal sobre a folha de pagamentos para um porcentual ao redor de 1% que incidirá sobre o faturamento da indústria do setor.

Leia também: Mantega discutirá com cinco setores da indústria sobre desoneração de folha

Em agosto do ano passado, quando foi lançado o plano "Brasil Maior", somente as indústrias de confecções, calçados, móveis e softwares foram beneficiadas com a desoneração. "Esse é um pleito antigo do setor, não tínhamos como não entrar", afirmou o presidente-executivo da União Brasileira de Avicultura (Ubabef) , Francisco Turra.

Segundo ele, o setor de aves brasileiro é um dos que mais emprega no País, com 720 mil empregos nas fábricas. "Só a BRF Brasil Foods, que é a maior do segmento, tem mais de 115 mil funcionários", disse Turra. Turra fez críticas ao Reintegra (Regime Especial de Reintegração de Valores Tributários para as Empresas Exportadoras), que estabeleceu a redução de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) dos itens manufaturados nas vendas externas e também lançado no plano "Brasil Maior". "Só um produto nosso teve o benefício - carne processada - e mesmo assim estamos com problemas de liberação dos créditos", explicou Turra.

O presidente-executivo da Ubabef antecipou números de exportação de carne de frango relativos a março - os dados finais devem ser divulgados pela associação na semana que vem. Segundo ele, o volume poderá ficar ao redor de 340 mil toneladas, 20,7% maior do que as 281,6 mil toneladas embarcadas em fevereiro. "Fevereiro foi atípico. Mês passado já foi melhor, impulsionado por compras da China", explicou o executivo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.