Tamanho do texto

Problemas técnicos afetam complexo que produz 305 mil barris de petróleo por dia; operações ficarão paralisadas por até cinco dias

selo

A segunda maior refinaria de petróleo da Venezuela foi completamente fechada na noite de ontem, após o fracasso da tentativa de manter ligada a principal linha de ventilação de ar que alimenta a fábrica, disse neste sábado um membro do Sindicato dos Petroleiros.

Iván Freitas, secretário-geral do sindicato no Estado de Falcón, afirmou que a refinaria de Cardón, que produz 305 mil barris diários, ficará totalmente paralisada entre três e cinco dias.

Barril do petróleo pode chegar a US$ 200

Alta do petróleo pode frear recuperação dos EUA, ampliar crise na Europa e afetar Brasil

Um porta-voz da estatal Petróleos de Venezuela SA (PdVSA) que opera a refinaria, não quis comentar os motivos para a paralisação. Cardón, ao lado da refinaria de Amuay, que possui capacidade de refino de 640 mil barris diários, faz parte do importante Complexo Refinador de Paraguana.

As duas refinarias têm sofrido frequentes acidentes e paralisações que, segundo os críticos, colocaram um sério desafio ao plano da Venezuela de aumentar sua produção de petróleo.

Ocorreram pelo menos cinco acidentes em Cardón e Amuay apenas no primeiro bimestre deste ano, que resultaram em paralisações temporárias.

Em fevereiro, petroleiros em Cardón disseram que depois de um incêndio nas unidades de destilação da refinaria, a fábrica produzia com apenas 50% da capacidade. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.