Tamanho do texto

Quinto maior exportador do produto no mundo, país é suspeito de trabalhar no desenvolvimento de armas nucleares

O ministério das relações exteriores do Irã acredita que se o Ocidente considerar seriamente bloquear a capacidade de Teerã exportar petróleo, o preço global da matéria-prima irá mais do que dobrar, disse o porta-voz do ministério, Ramin Mehmanparast, neste domingo, dia 4.

"Um assunto tão sério elevaria o preço do petróleo para cerca de US$ 250 o barril", disse ao jornal Sharq.

As conversações do Ocidente sobre sanções mais pesadas sobre o programa nuclear do Irã aumentaram desde que a Organização das Nações Unidas (ONU) publicou um relatório em novembro contendo informações de que havia evidências de que Teerã trabalhava na construção de uma bomba atômica.

O Irã afirmou que seu programa nuclear é inteiramente pacífico.

O Senado norte-americano votou na quinta-feira para penlizar instituições financeiras estrangeiras que fazem negócios com o banco central do Irã, o principal canal das receitas do petróleo, e a União Europeia está considerando banir o petróleo importado da república Islâmica.

Mas até o momento nem Washington nem Bruxelas finalizaram um movimento contra o comércio de petróleo ou o banco central, por temerem os possível impactos de restrições aos fluxos de petróleo do quinto maior exportador do mundo sobre a frágil economia global.

Mehmanparast afirmou que duvida se este passo será tomado. "Impor sanções ao óleo e gás está entre as sanções que se algúem quiser adotá-las, as consequências devem ser totalmente consideradas antes de ser tomada alguma ação", disse. "Eu não acredito que a situação mundial, e especialmente o Ocidente, esteja preparada o sufiente para levantar estas discussões".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.