Tamanho do texto

SÃO PAULO - A Sadia acaba de anunciar que teve perdas de R$ 760 milhões com operações financeiras cambiais. Segundo a empresa, o prejuízo decorreu de operações ligadas ao dólar em valores superiores à finalidade de proteção das atividades da companhia.

De acordo com comunicado divulgado há pouco pela Sadia, "diante da severidade da crise internacional agravada na última semana e da alta volatilidade da cotação da moeda norte-americana", a companhia decidiu liquidar financeiramente a posição, para reenquadrar a exposição de risco da empresa.

Em nota, a Sadia ressalta que a perda "não afeta suas atividades industriais e comerciais, as quais continuam em expansão".

Tradicionalmente, empresas exportadoras fazem operações de hedge cambial com o intuito de se proteger da variação do dólar. Como elas têm receita em dólares em custo em reais, a operação que protege a empresa do risco cambial é ficar "vendido" em contratos futuros de câmbio.

Quando uma empresa faz operações vendidas em câmbio, ela ganha dinheiro no mercado financeiro quando o dólar cai, e perde quando ele sobe.

Se o montante de hedge contratado for equivalente à previsão de receita de exportações daquele período, ela fica casada. Quando o dólar cai, ela ganha no contrato de hedge, mas tem uma receita menor em reais com a venda física dos produtos. Quando o dólar sobe, ela perde na operação financeira, mas tem um faturamento maior em reais com as vendas externas.

Pelo teor do comunicado, a Sadia deve ter ficado com uma posição "vendida" acima do fluxo de receita de exportações previsto para o período. Desta forma, o ganho maior em reais com exportações não foi suficiente para compensar a perda no mercado financeiro.

(Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.