Tamanho do texto

São Paulo, 5 - O Serviço de Inspeção Sanitária da Rússia (Rosselkhoznadzor, em russo) pediu que o Brasil tome medidas urgentes para interromper os embarques de carnes por parte de 37 frigoríficos embargados na semana passada com aval do próprio governo brasileiro

selo

São Paulo, 5 - O Serviço de Inspeção Sanitária da Rússia (Rosselkhoznadzor, em russo) pediu que o Brasil tome medidas urgentes para interromper os embarques de carnes por parte de 37 frigoríficos embargados na semana passada com aval do próprio governo brasileiro. Esses estabelecimentos fazem parte de uma lista paralela apresentada pelo Brasil aos russos, já que teriam alguns empecilhos para exportar no momento (como a falta de análises laboratoriais), mas cujas pendências seriam sanadas até o final de setembro.

A lista foi entregue durante reunião em Moscou em 6 de julho e fazia parte da proposta pela qual o governo brasileiro cancelaria a lista atual de 240 plantas credenciadas e passaria a considerar aptas a exportar 88 unidades. Mas no dia 28 de julho o governo russo enviou uma mensagem ao Brasil dizendo que descredenciaria essas 37 unidades temporariamente a partir do dia 6 de julho, sem se manifestar sobre as 88 unidades defendidas pelo governo brasileiro.

O anúncio de hoje ignora também o pedido do governo brasileiro, que havia sugerido que o embargo às 37 plantas começasse a vigorar em 2 de agosto para que os embarques em tramitação não fossem prejudicados. Em comunicado divulgado hoje, o Rosselkhoznadzor diz que os frigoríficos continuaram a embarcar carnes para a Rússia e pede "medidas urgentes para interromper as remessas de produtos de tais empresas".

Ontem, o Ministério da Agricultura enviou um novo documento às autoridades sanitárias russas reforçando as propostas brasileiras já feitas aos importadores de carnes no início do mês passado. Não há, no entanto, uma data prevista para uma resposta por parte dos compradores.