Tamanho do texto

Investimento privado em escritórios aumentou quase 70% desde 2009; Londres é a capital que mais atrai atenção dessa faixa

Londres: volume de fundos investidos na cidade chegou a R$ 26,5 bilhões em 2011
Getty Images
Londres: volume de fundos investidos na cidade chegou a R$ 26,5 bilhões em 2011
Investidores com mais de US$ 25 milhões no caixa escolheram comprar imóveis comerciais nos últimos anos, revela um estudo sobre riqueza feito pela consultoria Knight Frank e pelo Citi Private Bank. O dinheiro privado investido em escritórios, que somava US$ 41,6 bilhões em 2009, chegou a US$ 70,6 bilhões em 2011. Isso significou uma alta de 69,7% nesse tipo de investimento, num período em que o PIB global cresceu 9,62%.

- LEIA TAMBÉM: Berrini é região paulista que ganhará mais edifícios comerciais de luxo

No ano passado, 51% dos ricos afirmam ter ficado mais interessados em escritórios, diz o estudo. "Os investidores estão cientes de que um ponto de inflexão deve acontecer a qualquer momento na economia. Propriedades compradas pelos preços atuais irão parecer um bom negócio", diz James Roberts, chefe de pesquisa comercial da Knight Frank.

Londres foi a capital que mais chamou a atenção dos investidores endinheirados. O volume de fundos investidos na cidade chegou a R$ 26,5 bilhões em 2011. Os investidores globais consideram a cidade um porto seguro para o dinheiro, além de a maioria ter como língua nativa ou segundo idioma o inglês. Paris, Frankfurt e Hong Kong também aparecem como destaques.

"Eu aconselho investidores estrangeiros, a maioria do oriente, que querem comprar em Londres. Muitos ficam surpresos com a competição que encontram por lá, onde se deparam com muitos outros compradores estrangeiros de participações", diz Jeremy Waters, sócio no departamento internacional da Knight Frank.

O estudo pondera que parte desses investidores tirou vantagem da queda no preço dos imóveis após a crise de 2008, o que ajudou a elever o investimento em escritórios.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.