Tamanho do texto

Brasília, 10 - O Ministério da Agricultura divulgou hoje uma nova estimativa para a renda do setor agrícola neste ano. A renda deve crescer 17% no ano para R$ 164 bilhões.

De acordo com o coordenador de Planejamento Estratégico do ministério, José Garcia Gasques, a previsão foi feita com base em dados de julho, período anterior à crise financeira mundial que derrubou os preços das commodities agrícolas e reduziu a oferta de crédito, o que pode, segundo os produtores, reduzir a produtividade das lavouras que estão sendo plantadas. Apenas os preços do café são de setembro.

Em nota, o ministério informou que feijão, cebola, trigo, amendoim, soja, milho e café continuaram puxando a renda agrícola de 2008 para cima. Estes produtos representam 59% do Valor Bruto da Produção. De acordo com o acompanhamento da renda agrícola realizado pela Assessoria de Gestão Estratégica do ministério, outros produtos também apresentam aumento de renda, embora em percentual menos acentuado. São eles o arroz (17,6%), banana (4,7%), batata inglesa (9,9%), cacau (12,7%), fumo (2,1%), laranja (6,5%), mandioca (2,9%) e tomate (16,5%).

Assim como o observado em análises anteriores, alguns produtos registram redução de renda em 2008, como o algodão herbáceo, a cana-de-açúcar e a uva. Entre estes, de acordo com Gasques, a cana-de-açúcar se destaca pela redução de renda, mesmo com produção recorde. O destaque quanto ao aumento de renda é a região Centro-Oeste, com um incremento de 50%. Para as demais regiões, os aumentos são mais modestos. O norte do País deve apresentar uma redução na renda agrícola, observa Gasques.

A renda agrícola refere-se ao Valor Bruto da Produção de 20 lavouras e é obtida multiplicando a quantidade produzida pelo preço recebido pelos agricultores. A metodologia de cálculo da renda do café mudou em setembro. Os preços utilizados são do Cepea/Esalq/USP para o café Arábica tipo 6 e, no caso do Espírito Santo, foi utilizado o preço do café Conillon tipo 6, também do Cepea. Os demais preços continuam com a fonte da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.